Considerada a segunda data mais importante do ano para bares e restaurantes, o Dia das Mães promete ser diferente em 2020. De olho na data, a Confederação Nacional do Turismo (CNTur) e o Sindicato das Empresas de Gastronomia e Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (SindiAbrabar) vem, desde abril, mobilizando a categoria a se preparar para este momento.

Este ano, devido a pandemia do coronavírus, a comemoração será diferente, o que exige imaginação e reinvenção para evitar prejuízos. A ação “Estamos Abertos” tem promovido as casas de Curitiba e do Paraná que atenderão no dia 10 de maio, presencialmente em seus salões, com medidas sanitárias e respeito ao distanciamento social, ou no atendimento remoto com entregas ou retiradas do pedido no balcão.

 

Colaboração

 

“Cresceu muito no nosso setor as ações especiais e campanhas. Para o Dia das Mães, temos de manter a tradição do almoço fora do lar. Alguns estabelecimentos vão fazer atendimento presencial, outros vão fazer delivery, retirada no balcão”, disse o presidente do SindiAbrabar, Fábio Aguayo.

A ação quer garantir um fôlego extra ao setor, que praticamente parou com os impactos do Coronavírus no país. A maioria dos clientes, lembra o SindiAbrabar, gosta de aproveitar a data para levar sua mãe degustar pratos deliciosos produzidos fora do lar. “Vamos manter a tradição: no Dia das Mães, elas não cozinham, almoçam a comida do lugar preferido ou fora do lar. Assim também nos ajudará a manter os nossos estabelecimentos vivos. Nós vamos manter essa tradição em todo o estado”, acredita o presidente.

Combo especial

A ideia é incluir promoções no delivery, ou na entrega. Lembrancinhas que reforçarão a marca e garantir uma emoção extra as felizardas do Dia das Mães. Proprietário dos Restaurantes Victor, o empresário Francisco Urban acredita na possibilidade de ao menos repetir o faturamento do Dia das Mães do ano passado.

“Vamos trabalhar forte a questão de encomendas, aplicativos de delivery, e estaremos atendendo no salão, dentro das recomendações da Prefeitura. Esperamos ter um bom número de clientes”, disse. Ele criou um ‘Combo da Mama’ para a data festiva.

“É possível conseguir o mesmo faturamento, mas com mudança no canal de venda. Normalmente cerca de 90% do faturamento era interno, salão. Agora, basicamente vai inverter: vai ficar uns 90% em balcão e delivery”, completou Urban.

Continuar aberto

O empresário José de Araújo Neto diz que é preciso procurar manter ao menos uma fatia do faturamento de outrora para garantir aos estabelecimentos um respiro num momento de crise. Proprietário da Rede Porks, Mr. Hoppy, do Bar Quermesse e do Bar do Açougueiro, ele afirma que suas casas têm trabalhado com faturamento entre 15 e 20% do que era habitual.

“É quase um trabalho para subsistência. Não é para ganhar dinheiro, mas para continuar aberto depois da crise”, disse. O Quermesse está preparando encomendas do tradicional carro de igreja, carro chefe da casa, e também atenderá alguns clientes no próprio local, mediante reserva.