Na próxima sexta-feira (20) o Banco de Leite do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie completa 21 anos de existência com um desafio a ser cumprido: ampliar o número de doadoras para garantir o atendimento das 45 crianças que estão internadas na UTI neonatal da instituição. O estoque do banco de leite do hospital está com a metade da quantidade necessária para atendimento da demanda. A média mensal de doadoras é de 120 mulheres, porém historicamente este número diminui no mês de dezembro. Com a diminuição da coleta, os bebês precisam complementar a alimentação com leite artificial.

Shutterstock

 

Segundo Rosane da Silva, enfermeira responsável pelo Banco de Leite do hospital, os recém-nascidos que ingerem leite artificial ao invés do leite humano acabam ficando mais tempo internados na UTI. “O leite materno salva vidas. É muito importante que mais mulheres tornem-se doadoras”, ressalta.

As 45 crianças que recebem o leite doado fazem oito mamadas por dia, o que totaliza 360 mamadas. “Estamos com receio que o nosso estoque não seja suficiente, por isso fazemos um apelo às lactantes que tenham sobra de leite para que nos procurem e ajudem na recuperação dos bebês”, reforça a enfermeira.

Como doar?

Para doar o leite excedente não é preciso sequer sair de casa. Equipes do hospital realizam visitas semanais por todos os bairros da cidade. Nas visitas fazem orientações e coletam o leite produzido.

As interessadas em colaborar devem ligar no 3240 – 5117 para fazer o cadastro e agendar a coleta do leite. Os frascos coletados são testados e os que são considerados impróprios (cheiro de cigarro, azedo, com cabelo) são descartados.

Os leites que passam nos testes do cheiro, acidez e calorias são pasteurizados para eliminar todo tipo de contaminação.

Em 2019, o Banco de Leite Humano do Hospital Evangélico Mackenzie realizou quase três mil visitas domiciliares e coletou mais de 1,3 mil litros de leite. “Nossa vontade é ampliar a coleta para além de abastecer nossa UTI podermos repassar leite humano para outros hospitais, pois em todos eles há recém-nascidos necessitando de alimentação adequada”, destaca Rosane.