Foto: Reprodução/Catve

“A moça que toma conta da minha filha saiu de casa junto comigo, sempre minha esposa me acompanha, nesse dia ela não pode me acompanhar porque eu tinha um imprevisto. Eu parei em frente a um terreno para observar o valor e ligar. O que aconteceu é que a Polícia virando a esquina, interpretou mal, essa moça de 15 anos, estar junto comigo nesse local e me trouxe até a delegacia, dizendo motivos de pedofilia. Não existe lógica, mesmo eu querendo fazer algo errado eu não faria, pelo motivo, que eu sou pai de família, tenho minha filha e minha esposa, e também porque a moça trabalha para gente”

No entanto não foi o que disse a adolescente de 15 anos encontrada com o homem de 46 anos nesta quarta-feira (20) durante depoimento aos policiais Militares do Pelotão de Choque de Cascavel.

De acordo com a Polícia Militar, a menina relatou em depoimento que recebia dinheiro do adulto. No momento da detenção, o acusado relatou à reportagem a menor era babá de sua filha e que trabalhava há algum tempo com a família. O fato foi confirmado pela adolescente.

Na abordagem no Bairro Cascavel Velho, na tarde de quarta-feira a polícia localizou um simulacro e R$ 17 mil. Os dois estavam dentro de um carro o que chamou a atenção de moradores que chamaram a polícia por causa de atos obscenos.

O preso falou que a arma era de brinquedo para uso próprio e o dinheiro para pagar funcionários. Mesmo depois de tentar explicar a história ele foi entregue a autoridade policial.

O caso está com o Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria) que deve conduzir as investigações a partir de agora, pois de acordo com o depoimento da menor, ela teria sofrido outros abusos, que não são relacionados ao homem detido.

Segundo a Polícia Civil, o homem não está preso, ele foi liberado após prestar depoimento e mediante termo de compromisso para comparecer em audiência no fórum, pois no entendimento da polícia civil houve consentimento da adolescente.

O estupro de vulnerável só é considerado quando a vítima é menor de 14 anos e o abuso sexual somente quando não for consentido ou quando a vítima for menor de 14 anos.

O Tenente Roberto Tavares chama a atenção dos pais e responsáveis para que sempre fiquem em alerta em relação as atividades feitas por seus filhos.

Para mais informações sobre o Paraná, acesse o portal da Catve.com.