Diante de uma possível volta às aulas na segunda quinzena de novembro, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato) expressou uma posição contrária à retomada durante o ano de 2020. O posicionamento se deu na manhã da última sexta-feira (30), durante reunião com o diretor-geral da Secretaria da Educação do Paraná, Gláucio Dias.

Foto: Hedeson Alves/AEN

Em entrevista à Banda B, o presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão, disse entender a dificuldade das famílias, mas que o momento não é adequado para retomada. “Assim como muitos prefeitos já decidiram, por causa da segurança sanitária, não vale a pena colocar a retomada das aulas presenciais também pelo curto espaço do ano letivo”, disse.

Segundo Leão, o foco do momento precisa ser o de encerrar o ano sem mais prejuízos. “Nós temos sim uma preocupação grande com os milhares de alunos que não podem acompanhar as atividades eletrônicas ou impressa e entendemos que é preciso planejar com muito cuidado e atenção o ano de 2021, para que a gente possa fazer um grande processo de recuperação no ano que vem”, comentou.

O possível retorno em novembro foi anunciado pelo governador Ratinho Junior ao longo da semana. Ele frisou, porém, que tudo depende do cenário epidemiológico do estado. “Se continuarmos nesse ritmo e o índice de contaminação continuar caindo, a ideia é que na segunda quinzena mais ou menos de novembro, a gente possa voltar com próximo da normalidade com os alunos, tudo de forma gradativa por região e também conforme o índice de infecção nas regiões”, explicou.

Um dos pedidos mais fortes para a retomada no momento parte das escolas particulares. O Tribunal de Justiça está com um mandado de segurança em mãos para decidir sobre a possível volta nas instituições.