Um motorista de 22 anos provocou com um Chevrolet Onix, por volta das 17 horas deste sábado (25), diversos acidentes de trânsito, no bairro Caiuá, em Curitiba. Foram duas batidas, um atropelamento, além de duas tentativas de fuga que terminaram com o carro capotado.

 

Djalma Malaquias/Banda B

 

Sobre o atropelamento

Em entrevista à Banda B, uma senhora, que não quis ser identificada e presenciou o fato, deu detalhes da situação.

“O motorista do Onix vinha rápido pela rua Arnaldo Ferreira Velozo, devido a uma outra batida que fez. Ao tentar entrar na rua Marcos Antonio Malucelli, ele bateu no Ford Ká da vítima. Nisto, o rapaz abriu a porta e saiu para tentar conversar. O motorista não parou, acelerou e passou por cima do outro”, explicou.

A senhora mencionou que o motorista tem o costume de praticar rachas na região, durante a noite. Ela disse que, por sorte, a vítima não morreu no local.

“Quase matou o rapaz. Quem viu, sabe que foi feio”, pontuou.

Motorista capota veículo

Em seguida, após fugir do atropelamento, o rapaz trafegava, mais uma vez, em alta velocidade pela ruas locais. Quando entrou na rua Lauro Grein, próximo ao conjunto Caiuá, o motorista perdeu o controle do Chevrolet Onix. O carro teria capotado depois de acertar um Fiat Uno. Em seguida, o veículo atingiu a parede de uma casa, voltou em um Eco Sport, e parou.

O proprietário do Eco Sport estava na frente da sua residência e conversava com um vizinho no momento que tudo aconteceu. Em entrevista à Banda B, ele disse que tudo foi tão rápido que não deu nem tempo de reagir.

“Eu tomei um susto. Eu conversava com o meu vizinho, sentado na rua. Ainda bem que o meu carro estava aí para nos proteger, se não o Uno tinha passado por cima da gente”, contou.

O auxiliar administrativo, de 25 anos, disse que pretende entrar na justiça para recuperar aquilo que lhe pertence.”Eu tenho seguro, mas não sei ele. Agora, é ver isto na justiça”, pontuou.

BPTran

O tenente Bernardi, do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), revelou que o carro pertence à mãe. Além disto, ele ressaltou o risco que o motorista correu após sair do carro.

“Ele correu o risco também. O pessoal ficou nervoso com a situação e quase que ele foi linchado. Mas, após a bondade de um outro vizinho, o jovem foi recolhido para dentro da residência e isto não aconteceu”, pontuou.

Após os sinais de embriaguez e as diversas embalagens de bebidas encontradas no carro, o BPTran ofereceu o teste do bafômetro. Nele, foi constatado um valor 0,70, um grau de teor alcoólico maior do que o permitido.

Bernardi lamentou o fato. “Não pode, né! Um sábado bastante movimentado, várias ocorrências neste sentido. Infelizmente, o resultado acaba sendo sempre o mesmo. O individuo embrigado, causando danos e lesões em outras pessoas”, afirmou.

Após os atendimentos do SIATE e do BPTran, o jovem foi encaminhado a delegacia. O rapaz que foi atropelado foi levado ao hospital. Até o momento, não se sabe a identidade do mesmo.

Veja o estado do veículo após o motorista capotá-lo