Após o alerta feito pela Polícia Militar (PM) e Corpo de Bombeiros usando alto-falantes das viaturas para pedir que a população fique em casa, as principais ruas de Curitiba estão vazias neste sábado (21). No centro da cidade, várias lojas não abriram pela manhã e o cenário é de um deserto. Movimentação apenas nos supermercados, que continuam cheios. Por decreto, os shoppings estão fechados, assim como academias, cinemas e salões de beleza.

Nas viaturas, o aviso (assista ao vídeo aqui)

Visão geral do calçadão da Rua XV, diversas lojas estão fechadas devido à pandemia do coronavirus, neste sábado 21. (Foto: Heuler Andrey/DiaEsportivo/Folhapress)
“Atenção! A aglomeração de pessoas está contraindicada. Solicitamos que todos voltem às suas casas. Ficar em casa é a melhor alternativa para evitar que a crise chegue no estágio que chegou em outros países”, diz um trecho da mensagem sonora emitida por uma viatura da PM nas ruas de Curitiba para o combate ao novo coronavírus.

“Para evitar a propagação do coronavírus, permaneça em sua residência”, pede outra mensagem divulgada pelos alto-falantes de um caminhão do Corpo de Bombeiros.

O major Beckert, da PM, explica que a iniciativa busca atingir a população de todo o estado. “Os nossos militares estaduais estão atuando em todos os municípios do Paraná e podem alertar a população sobre a necessidade daquilo que é decisivo para a saúde e bem estar de todos os paranaenses nesse momento, como evitar aglomerações, atender as recomendações das autoridades e se prevenir contra o contágio do vírus”, disse o major.

Prais do Rio nesta sexta-feira – Foto Ag. Brasil

No Rio, prefeito vai recorrer às Forças Armadas

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), encaminhará pedido ao Ministério da Defesa para o emprego de militares a fim de reduzir a circulação de pessoas nas ruas. A preocupação maior é com os idosos.

“Na Barra da Tijuca e na Zona Sul precisamos ter cuidado com os idosos. Vamos pedir para que voltem para casa ou sejam breves”, disse o prefeito numa entrevista coletiva.

A Prefeitura do Rio também pretende interceder junto aos supermercados para que intensifiquem ou adotem sistema de entrega. Crivella aventou a possibilidade de estender o horário de funcionamento dessas lojas para evitar aglomerações.

A prefeitura carioca também anunciou a oferta de janta nos restaurantes populares, que passam a abrir das 17h às 20h a partir da quarta-feira (25).

Outra medida em estudo no Rio é o a utilização de hotéis fechados para o abrigo de idosos em condições de maior vulnerabilidade à Covid-19. “Ideia é oferecer a oportunidade de fazer isolamento social para quem não tem como fazer isso em sua casa”, disse o prefeito.

O principal alvo dessa medida são os moradores das favelas. Há grande número de idosos que sofrem de tuberculose nessas comunidades e que estão no grupo de risco para o coronavírus.

Parques de São Paulo fechados

Os parques da cidade de São Paulo amanheceram fechados neste sábado. Este é o primeiro dia da nova medida, publicada pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) no Diário Oficial do Município nesta sexta-feira, 20, para conter o avanço do novo coronavírus. A proibição do acesso aos espaços se estende aos parques estaduais, em cumprimento ao estado de calamidade pública, também decretado nesta sexta pelo governador João Doria (PSDB).

O fechamento dos 107 parques da capital vale por tempo indeterminado. A decisão engloba o Parque das Bicicletas e o Centro Esportivo, Recreativo e Educativo do Trabalhador (Ceret). Apesar da ação emergencial para esvaziar as ruas e os lugares de grandes aglomerações, populares encontraram um jeito de burlar as regras.

Nas primeiras horas deste sábado, alguns utilizaram o lado de fora do Parque do Ibirapuera para praticar exercícios. Cartão-postal da cidade, o local costuma receber cerca de 150 mil pessoas aos fins de semana. Por mês, registra aproximadamente um milhão de entradas.

Outro ponto de circulação intensa aos sábados e domingos, a Avenida Paulista também teve movimentação bem abaixo do normal nesta manhã. Entre os que passavam pela rua mais famosa de São Paulo, a maioria adotava o uso de máscaras protetoras, indicada para quem apresenta sintomas da covid-19.

Os efeitos do decreto de Covas em outras áreas começaram a valer nesta sexta, quando o comércio de toda a cidade fechou as portas Lojistas estão proibidos de atender presencialmente o público por 15 dias. A medida não vale para farmácias, mercados, feiras livres, lojas de conveniência e postos de combustível, entre outros estabelecimentos. Bares, padarias e restaurantes podem funcionar, mas com regras adicionais de higiene.