O advogado que representa a família da pequena Yohana Gabrielly Fernandes Pereira, Raphael Nacimento, acredita que o enrosco do carrinho evitou com que outras quatro pessoas morressem no local. Em entrevista à Banda B nesta quinta-feira (7), ele afirmou que a família atravessava junta a Rodovia da Uva, em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, e que a pequena de cinco anos estava a cerca de um passo da mãe quando acabou atingida.

Yohana morreu aos cinco anos

“É importante dizer que em hora nenhuma a Yohana soltou a mão da mãe ou da prima e saiu na frente delas. Quando a criança foi atropelada, estava um passinho na frente e isso foi declarado em depoimento. Eu concluo que se esse carrinho não tivesse dobrado, o motorista teria atropelado toda a família, causando uma tragédia ainda maior. Por isso mesmo que a família sempre diz: foi um anjinho que marcou esse acontecimento”, disse Nacimento.

No dia do acidente, Yohana estava com a mãe, uma prima e os dois irmãos pequenos, que estavam no carrinho.

Nacimento conta que o pai de Yohana morreu há pouco tempo e que a pequena era cuidada integralmente pela mãe, Yolanda Cristina Pereira.

Busca

Até o momento, o motorista responsável pelo atropelamento não foi encontrado. Segundo a Polícia Civil, o veículo envolvido no acidente é um VW Jetta cinza ou prata.

Para Nacimento, o motorista precisa responder por homicídio com dolo eventual, o que levaria o caso para o Tribunal do Júri de Colombo. “Nós não podemos desprezar que o motorista estava em altíssima velocidade, com uma média que pode chegar aos 120 ou 130 km/h, isso além dele ter furado o sinal e estar de luz apagada. Não se trata de um homicídio culposo de trânsito, mas sim doloso com dolo eventual”, disse.

Qualquer informação sobre o acidente pode ser repassada à Delegacia de Colombo pelo telefone (41) 3656-8600.