Moradores se reuniram na manhã de hoje no novo monumento da cidade. Foto: FB/Banda B

 

Cerca de cinquenta moradores de Campo Largo se mobilizaram na manhã deste sábado (23) para se manifestar contra o projeto de lei que atualiza o valor do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU). O projeto de lei 33/2017 já foi aprovado pela Câmara Municipal da cidade e passa a valer a partir do ano que vem. A Prefeitura de Campo Largo explicou sobre a nova medida e alertou que o valor do imposto não será alterado, e sim o valor venal das propriedades.

A manifestação aconteceu na Avenida Ema Taner de Andrade, em frente ao novo monumento inaugurado há poucos dias. O campolarguense João Leocádio, servidor público federal, alega que não houve diálogo com a população sobre a revisão de valores. “Foi da noite para o dia, sessões extraordinárias desnecessárias, não houve explicação sobre o motivo de mudar a base de cálculo. A alíquota do imposto continua a mesma, mas quem vai avaliar os imóveis, nós vamos confiar em quem. Queremos discutir, pedimos transparência e o porque fazer isso às pressas?”, criticou.

Segundo os manifestantes, a falta de diálogo e de informações sobre o projeto de lei aprovado causa insegurança na população. o projeto foi votado durante a semana e teve o total de votos aprovados no Executivo. “Eles não querem que a gente conte isso para a população, estamos fazendo nossa parte quanto cidadão. Os vereadores não falam com a população, votam e a gente que engula, não é assim”, reclamou outro morador, identificado apenas como Santana.

Prefeito Marcelo Puppi. Foto: FB/Banda B

Outro lado

O prefeito Marcelo Puppi falou com a Banda B sobre a manifestação e negou que haja aumento exacerbado. “Essa informação de que o IPTU teria aumento de 300% é mentira. Existe um movimento político que está usando as redes sociais para passar informações incorretas. Não teve nada de regime de urgência. Mandamos para a Câmara em tempo hábil esse projeto, depois de ter discutido com a sociedade e ter recebido, inclusive, com apoio da OAB (subseção de Campo Largo), por meio do presidente Ivo Gobbato, do sindicato rural, da Acicla (Associação Comercial e Industrial de Campo Largo). Isso porque todos sabem que a planta genérica de Campo Largo, com muito irresponsável, não era modificada há mais de dez anos”, declarou.

Segundo o prefeito, essa atualização da planta genérica faz com que não haja variação no valor venal dos terrenos. “Claro que a gente não quer penalizar ninguém e nem, em um momento de crise como estamos, fazer qualquer tipo de aumento de impostos na cidade. Essas informações irresponsáveis estão tentando criar o que não existe em Campo Largo”, rebateu.

A prefeitura também se manifestou por meio de nota oficial. “Haverá a ampliação do número de contribuintes beneficiados com a redução de imposto ITBI, de 2% para 0,5%, nos programas habitacionais de interesse social e os imóveis financiados no âmbito da Política Nacional de Habitação, por entidades integrantes do Sistema Financeiro da Habitação do Governo Federal, ou no âmbito das políticas equivalentes do Estado do Paraná e do Município. Todas as garantias sociais estão previstas na Lei”.

Para finalizar, o prefeito Marcelo Puppi citou exemplos sobre terrenos no bairro Ferraria, na Vila Torres, que pagam atuais R$ 44 de IPTU e poderão pagar, com o desconto à vista, um valor de R$ 41 anual. Já outro terreno, segundo o prefeito, ao redor do Hospital Nossa Senhora do Rocio, os mais valorizados do município, terão o valor venal atualizado com implicação de aumento – de cerca de R$ 75. “Veja o que eles têm lá atualmente, asfalto, comércio, pistas duplas, iluminação de LED, parques, isso não dá cinquenta centavos por dia para se ter todos esses benefícios em uma cidade”, finalizou o prefeito Marcelo Puppi.