Tem quem deseja” luz” aos outros, com ar de superioridade, como se fosse o exemplo a ser seguido, como se esta “LUZ” fosse possível num “gato” ali, no poste da esquina.

Ao desejar “luz”, até emposta a voz, colocando um tom gutural, de ar solene, como se fosse a ponte a algo superior, capaz de trazer “ luz “ a alguém ou a um momento.

Imagem ilustrativa

Pra desejar, é necessário primeiro ter “Luz”, quando a gente tem, doa, sem alarde.

A luz que me refiro não é esta que vem na conta da Copel. É luz própria, alguns com uma usina, outros com gerador.

Alguns poucos nascem com ela. São os abençoados, os raros… as criaturas que tornam um texto como este inútil, porque são a melhor expressão da Luz.

São doadores, gostam de dividir. Sempre pelo bem, pelos outros. Porque além do prazer em ajudar, sabem que quanto mais dão, mais têm.

*Sergio Brandão é jornalista há 43 anos, com passagem pelas principais emissoras de tv, rodou o Brasil por conta da profissão. O jornalismo que ensina a olhar as coisas com olhos diferentes, para Brandão é um exercício diário.