Pai, pega meu sutiã que está no corrimão da escada e traz pra mim!?

Engulo seco, levo uns 10 segundos digerindo a frase. Levanto e ja de pé vejo o sutiã de Helena pendurado no corrimão. Pego, subo a escada ainda pensando no que tinha acabado de ouvir, tentando ser o mais natural possível.

No topo da escada, encontro Helena, com os braços cruzados, cobrindo seus pequenos seios que começam a brotar. Ao natural Helena pega seu sutiã, agradece e de costas segue para seu quarto já se vestindo.

 

Minha querida filha! Eu é que te agradeço pela confiança, por me permitir participar deste momento de transformação tão importante e íntimo.

Sem pudores, mas preservando sua intimidade, Helena cobre com as mãos uma pré – adolescência que explode em seu corpo, numa cabeça de menina-moça, mas ainda criança.

Há 10 anos não podia imaginar você assim, me pedindo com naturalidade pra te alcançar uma roupa íntima, como também ouvir suas histórias de “namorado de brincadeira “.

Confesso que às vezes me perco nas respostas, mesmo tendo todo o cuidado nestas conversas mais sérias que andamos tendo. Tenho tido muito cuidado para ajudar e não atrapalhar. Pelo menos procuro não colocar nesta cabecinha mais ruído do que soluções.

O mundo se abre diante dela e algumas vezes me pede socorro. Me orgulho disso. É difícil perceber toda esta transformação e só ajudar. Muitas vezes escapa e vão junto os velhos conceitos, os vícios de uma vida longa e já cansada. Me esforço na busca pelo acerto. Não sei se consigo.

Sou pai de uma menina que me infla de orgulho. Mais… me convida e eu aceito participar de seu início de vida.
Obrigado pelo amor e confiança, minha linda Helena.

*Sergio Brandão é jornalista há 43 anos, com passagem pelas principais emissoras de tv, rodou o Brasil por conta da profissão. O jornalismo que ensina a olhar as coisas com olhos diferentes, para Brandão é um exercício diário.