Além das regras básicas para uma boa convivência no trânsito – aquelas que você aprendeu na marra – quando se propôs a ser motorista e precisou se submeter a vários testes que o Detran exige, tem mais duas regras que não te ensinam e que também fazem parte das boas relações e precisam ser colocadas em prática o mais rápido possível, se é que te interessa continuar vivendo em comunidade.

Bom senso e espirito comunitário, entender que você não está sozinho no mundo. Que lá fora, existem outras milhares de pessoas, também se movimentando, e de forma alguma podem prever suas intenções, por mais claro que você imagina estar sinalizando certo, dizendo o que quer fazer.

Imagem ilustrativa – SMCS

Também é preciso entender que tem muito carro, moto e ciclistas, uma tendência que está crescendo e que divide com você o mesmo espaço. Não é preciso dizer que mais frágeis. Os ciclistas são hoje as novas vítimas do trânsito. As consequência de uma colisão com qualquer veículo, o prejuízo maior é do motoqueiro ou do ciclista. Nem todo motoqueiro ou ciclista está ali passeando. Na maioria das vezes é opção de transporte, por necessidade. Economia em consumo de combustível e até de passagem de ônibus. É meio de transporte também, só que de duas rodas e carrega uma vida, acima de tudo.

Não se trata de competição. Ninguém precisa ser maior ou melhor que ninguém. Entrar num carro ou numa bicicleta, é primeiro entender que o transito exige atenção, a maior possível e que a tarefa só termina quando você sai do veículo, estacionado de forma correta. Porque também tem isso, o povo do “ só um minutinho”, ocupando uma vaga que não é sua. È de um cadeirante ou de um idoso. Nestes casos não dá pra tolerar o “um minutinho”, o jeitinho brasileiro, onde você pode, mas quando alguém fere o teu direito, te cortando a frente ou ocupando uma vaga que é sua, aí você se enche de razão. O mesmo serve para motociclistas e ciclistas, que em muitos casos abusam da fragilidade, colocando a própria vida e a dos outros em risco.

Bom senso e sentido de convivência comunitária no trânsito, ou em qualquer lugar, desde a sua casa, como lá fora, no condomínio ou no próprio bairro, dentro do ônibus, precisam ser respeitados, para que você também receba o troco, com o respeito dos outros. Violência gera violência? Educação gera educação! É o comportamento que está faltando neste convívio diário nas ruas, no trabalho e no trânsito, onde anda morrendo muita gente, algumas vezes por intolerância, impaciência.

 

*Sergio Brandão é jornalista há 43 anos, com passagem pelas principais emissoras de tv, rodou o Brasil por conta da profissão. O jornalismo que ensina a olhar as coisas com olhos diferentes, para Brandão é um exercício diário.

Sempre com uma narração leve e didática, às vezes romanceada, conta histórias da vida, num cotidiano de todos, mas que também servem de espelho.

Coisas da vida, do nosso dia a dia, que encontramos numa interpretação semanal, vista com olhos de quem vê a vida por um viés que às vezes passa batido. Um bom momento para aqui no Blog, ver uma vida contada em textos.