Reprodução

Uma nova modalidade de crime está começando a aumentar. Os marginais rendem suas vítimas, mas ao invés de roubarem o celular, eles fazem com que a vítima o desbloqueie e as obriga a acessar o aplicativo de sua conta bancária, e com o acesso liberado da conta, fazem a transferência de todo o dinheiro disponível, saldo mais limite do cheque especial.

Enquanto isso outro integrante do golpe vai no banco e saca todo o dinheiro, com toda a tranquilidade, pois sabem que o titular da conta “roubada” está como refém de seus parceiros.

Outra forma dos marginais se protegerem, é fazerem a transferência do dinheiro da vítima para uma conta em BITICON, onde é mais difícil a identificação do titular da conta.

A vítima ao ser liberada tem como sua primeira reação ligar para o banco, para comunicar o que ocorreu, e solicitar o bloqueio da operação para que lhe devolvam o valor transferido.

Aí que começa realmente o drama da vítima, pois como a operação foi realizada de seu celular e com a utilização da senha para as transferências, o banco não se responsabiliza pelo dinheiro retirado de sua conta.

A única segurança que se pode adotar, apesar de em muitos casos isso ser inviável, é reduzir os limites diários para transferência, que apesar de não ser o ideal, pode pelo menos minimizar o prejuízo.

Com esse novo modelo de crime, os ladrões não precisam ficar circulando com a vítima, e nem da presença dela para sacar o dinheiro, já que toda a ação é realizada online.

Mas o sequestro para levar a vítima junto para sacar dinheiro nos caixas eletrônicos ainda continua em alta, motivo pelo qual, após as 22 horas, o limite de saque é reduzido.

Assim, evitem andar em lugares com pouco movimento, e principalmente as mulheres que tem o hábito de pararem o carro e ficarem falando no celular, pois aí se torna vítimas fáceis para os ladrões.

E nunca se esqueçam, PREVENIR é sempre o melhor remédio.

Para sugestões de pauta ou duvidas, encaminhem um e-mail para [email protected].