É nos períodos de crise que as pessoas precisam se reinventar.

Infelizmente a economia está sendo afetada de uma forma ainda imprevisível em virtude da pandemia de coronavírus.

Ocorrerão demissões, e consequente diminuição na renda das famílias.

Para as pessoas que moram em condomínios, o custo do condomínio que já tem um impacto significativo no orçamento doméstico, vai ficar ainda mais ”pesado”.

O que pode ser feito?

Uma das opções é tentar reduzir o custo do condomínio, mas sem reduzir a segurança dos seus moradores.

E a medida mais rápida é a utilização da tecnologia, onde o custo pode chegar em até 1/3 do custo atual, dependendo das mudanças efetuadas.

Hoje é possível controlar o acesso de todos os moradores com alto nível de segurança, bem como dos visitantes, prestadores de serviços e até mesmo dos funcionários do condomínio com:

TAG, que são os famosos “chaveirinhos” que quando aproximados do equipamento instalado na portaria liberam o acesso dos moradores (nível de segurança médio).

Biometria Digital, onde ao chegar no condomínio, os moradores usam de suas digitais para liberar o acesso (nível de segurança alto)

Biometria Facial, onde o morador ao chegar próximo a portaria, uma câmera reconhece o morador e libera seu acesso ao condomínio (nível de segurança alto).

A Biometria Facial, conhecida popularmente como Reconhecimento Facial, é a última tecnologia em liberação de acesso, mas apenas algumas empresas tem condições de oferecer essa tecnologia aos seus clientes, pois muitos oferecem, mas na hora dos moradores usarem, o sistema tem dificuldades em reconhecer os moradores e geram dificuldades de acesso.

No Paraná essa tecnologia está disponível, e se alguém tiver alguma dúvida ou querer mais informações é só encaminhar e-mail para [email protected], pois saber a qualidade da tecnologia é fundamental na hora de se contratar um serviço, principalmente porque terá reflexo direto na segurança dos que moram no condomínio.

E nunca esqueçam, PREVENIR é melhor que remediar.