Não tenho nada contra os que estão cumprindo pena pelos crimes que cometeram, mas não posso concordar com a postura de juízes e desembargadores que estão liberando esses marginais para cumprirem suas penas em prisão domiciliar por causa do coronavírus.

Muitos condenados por crime hediondos, homicidas, traficantes, chefes de organizações criminosas que foram liberados com tornozeleiras eletrônicas, simplesmente arrancaram suas tornozeleiras e estão soltos e livres para cometerem novos crimes e fazerem novas vítimas, e já fizeram.

Enquanto isso, o cidadão de bem que trabalha e recolhe os impostos que sustentam esses representantes do poder judiciário que liberaram os criminosos e também sustentam esses criminosos enquanto estão presos ou recebendo o auxílio reclusão que é maior que o salário mínimo que o trabalhador recebe, estão impedidos de sair de casa para retomarem seus serviços e negócios, sendo que muitos empresários, principalmente os pequenos e médios irão acabar por encerrar seus negócios pois não terão condições financeiras de dar continuidade, o que em muitos casos são os sonhos de uma vida, além de, terem que demitir muitas pessoas, que por consequência também não terão como dar o sustento devido aos seus familiares.

No meu ponto de vista, se tem um lugar seguro para se passar por uma quarentena, são os presídios, pois os que lá estão, já estão confinados.

E esses marginais com certeza em sua quase totalidade não irão ficar em casa e se cuidar, mas sim sair para cometerem novos crimes.

Gostaria de saber o que se passará na cabeça de um desses magistrados que liberaram os presos, quando lerem nos noticiários que a sua ação resultou na morte de um trabalhador.

Com certeza irão dizer que não são responsáveis pelas ações dos outros, mas, não irão admitir, que com suas ações foram diretamente os responsáveis pelas oportunidades criadas para o cometimento de crimes.

Outro custo, e caro, será o trabalho que a polícia terá para recapturar esses marginais que indevidamente estão recebendo a liberdade.

Para dúvida ou sugestões, encaminhe e-mail para [email protected]