Basta olharmos, ou ouvirmos os noticiários para percebermos que uma das manchetes mais relatadas seja a FILA PARA RECEBER OS R$600,00 REAIS.

Isso se deve a crise gerada pelo Covid 19, que fez com que fosse decretado o isolamento social e consequentemente muitas pessoas do dia para noite, perderam integralmente suas fontes de renda, tendo neste recurso disponibilizado pelo Governo Federal, sua única fonte de renda.

Estamos chegando a 02 meses de isolamento, e o reflexo é empresas (pequenas, médias e grandes) decretando falência, e funcionários sem receber, porque onde trabalhava está fechado, e sem perspectivas do que fazer para poder garantir o sustento de sua família.

Até agora, em termos de Segurança Pública, estamos vendo um aumento de confrontos de bandidos com a PM decorrente de crimes.

Como a cidade está com o trânsito mais calmo, e o volume de ocorrências diminuiu, a resposta da PM é mais rápida e consequentemente os ladrões estão levando a pior.

Mas a minha preocupação é que em breve possamos ter um aumento de casos de furtos e roubos decorrente do desespero de alguns em arrumar dinheiro para sobreviver.

Por isso é fundamental que nossos Prefeitos e Governadores, que ficaram com a responsabilidade de liberar ou não a reabertura da atividade comercial, que tenham bom senso em equilibrar a questão da saúde da população com a sobrevivência com dignidade dessa mesma população.

Temos municípios, que apesar de não terem casos registrados, toda a atividade comercial foi abalada pelo medo transmitido pelas notícias.

Temos que ter a consciência de que a população deve ser informada sobre a gravidade do Covid 19, mas sem gerar pânico na população. Pois já há vários casos registrados de pessoas que estão morrendo decorrendo deste pânico gerado pela pandemia.

Tem que se equilibrar, como disse, o distanciamento social para minimizar o risco de transmissão, com a liberdade do cidadão (com segurança e cumprindo as normas sanitárias) poder trabalhar para que sua família não venha a passar fome, nem ter seu padrão de vida jogado no lixo, e terminar que por uma ação de desespero venha a cometer um delito ou um crime para arrumar dinheiro para comprar comida.