Até pareço repetitivo, mas como se diz, de tanto falar, um dia as coisas começam a mudar.

Acabamos de ver um julgamento que pareceu muito mais um espetáculo circense, onde para defender um estuprador, se acusou e massacrou a vítima.

Quero saber onde estão as ONGs de Direitos Humanos para se posicionar a favor da vítima?

Por isso sempre faço questão de afirmar que é fácil e cômodo cobrar da Polícia Militar e da Polícia Civil dizendo: que não trabalham; que não cumprem com suas obrigações; e que não atendem à população.

Por ser Coronel da PM do Paraná, digo com propriedade e conhecimento que em nosso Estado com certeza, a população tem uma das melhores PM e PC do país.

Tem coisas erradas? Tem. Mas podem ter certeza que não é culpa dos policiais.

Eles estão de “mãos atadas”, pois fazem um trabalho que pode ser comparado a “enxugar gelo”, onde as equipes de serviço conhecem praticamente todos os ladrões que atuam em sua área de trabalho, e que já os prenderem muitas vezes, em alguns casos, dezenas de vezes, mas continuam soltos e cometendo crimes.

E está impunidade reinante, onde nossos legisladores com “peninha” dos ladrões, homicidas, estupradores, sejam eles, maiores de idade ou menores de idade, torna impossível termos uma segurança efetiva para a população.

Mas esses mesmos legisladores cobram tudo da população decente e trabalhadora, aplicando penas e os prendendo sem pestanejar.

Agora durante a pandemia! O que aconteceu?

Os bandidos presos foram liberados das cadeias e presídios para se cuidarem do Covid, e sairão pra roubar e matar.

Enquanto isso o cidadão de bem que queria trabalhar para sustentar sua família, foi preso!

É ou não é uma inversão de valores?

E nessa semana onde vemos um estuprador ser absolvido de seu crime com a invenção do “estupro culposo” (KKKKKKKK), me desculpem, mas ainda não achei em lugar nenhum a descrição de estupro culposo.

Fiz essa analogia para demonstrar que a culpa da insegurança não é por causa das policias, mas sim de nossa legislação e da postura e conduta de nossos promotores e juízes.

Não estou generalizando, mas àqueles que não cumprem com suas obrigações ou interpretam a lei para beneficiar marginais, e os tratam com a maior cordialidade durante as audiências, mas na hora de julgar um cidadão de bem que cometeu um pequeno delito, “dão uma de macho”. E disso temos vários exemplos nas redes sociais que tornam público algumas aberrações jurídicas.

O primeiro passo está próximo, pois ao elegerem vereadores e prefeitos estarão preparando a base para eleger os senadores e deputados, que são os que tem o poder de mudar a legislação para proteger o cidadão de bem e punir os verdadeiros marginais.

Para sugestões de pauta ou dúvidas encaminhem seus e-mails para [email protected]

 

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Banda B.