Somos uma geração de pessoas que vivem do raso, do acúmulo, do parecer ou ter é melhor do que ser. Somos uma geração de consumistas, fast food, uma geração doente, uma geração poluída. A que preço chegamos até aqui? A que preço estamos dispostos a pagar pelas nossas atitudes?

Não quero aqui entrar em questões relacionadas a saúde física e psicológica de cada um. Mas o fato é que vivemos uma época em que pessoas são perfeitas em redes sociais e consomem demais, comem demais por problemas, rombos emocionais. A poluição nos grandes centros? Nem interfere tanto, até por que somos muito mais doentes da cabeça, do querer ser do que efetivamente do ar que respiramos.

Imagem Brasil Escola

Que possamos refletir sobre aquilo que de fato importa, aquilo que nos faz melhores. Que possamos ser mais efetivos em nossas vidas, felizes e possamos buscar uma vida mais equilibrada, em busca do desenvolvimento humano e sustentável.

Que Planeta queremos? Que a poluição do ar, dos rios, dos mares, das florestas e das cidades sejam reduzidas tanto quanto a saúde emocional, a cabeça, as atitudes e a busca pelo novo, por um mundo com pessoas melhores.

Vamos despoluir o Planeta? Vamos despoluir nossa mente? Nosso corpo? Vamos plantar uma boa semente para que sejamos felizes e possamos conviver de forma harmoniosa em um mundo melhor pata todos.

*Evandro Razzoto  é coordenador de Ciência e Tecnologia da SETI – Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Governo do Estado do Paraná. Professor da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), consultor e palestrante ambiental. Além disso, escreveu o livro Eco Sustentabilidade: Dicas para tornar você e sua empresa sustentável, em que fala principalmente sobre como conciliar os três pilares da sustentabilidade (crescimento econômico, responsabilidade social e preservação ambiental) na gestão e marketing das empresas