Passando por um dos rios de uma cidade, me deparei com o descaso que a tanto tempo tenho presenciado. Mais um cidadão, provavelmente o mesmo que reclama do poder público, da corrupção e afins, jogando entulho na beira do rio. Esta é a realidade dos grandes centros urbanos.

Se não bastasse as construções irregulares, o lixo despejado, o esgoto, o desmatamento da mata ciliar, ainda jogamos lixo no rio.

Imagem ilustrativa

Se a água é um bem tão precioso, dependemos dela para sobreviver, como não cuidarmos da mesma?

Uma sociedade onde um perde, todos perdemos. Se não há educação e consciência, que haja a lei e seja aplicada.

Quem sabe assim possamos cuidar. Ou quem sabe seja preciso ficarmos sem água e consequentemente sem vida para valorizarmos o óbvio.

Não quero aqui ser inconsequente e terrorista, apenas para que possamos refletir sobre o que de fato nos importa.

Sobre a importância de se viver em sociedade, de respeitarmos ao próximo e de cuidarmos daquilo que de fato tem valor.

Sejamos conscientes em busca de um Planeta melhor e do desenvolvimento sustentável. Preservar a natureza, os rios, a água, pode ser o sinal de nosso respeito a nós mesmos, de amor próprio e do valor que damos a vida.

*Evandro Razzoto  é coordenador de Ciência e Tecnologia da SETI – Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Governo do Estado do Paraná. Professor da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), consultor e palestrante ambiental. Além disso, escreveu o livro Eco Sustentabilidade: Dicas para tornar você e sua empresa sustentável, em que fala principalmente sobre como conciliar os três pilares da sustentabilidade (crescimento econômico, responsabilidade social e preservação ambiental) na gestão e marketing das empresas