No artigo anterior, abordamos este tema tão relevante, a água. Gostaria de continuar a falar sobre o tema, no entanto por uma outra ótica. Já que falamos sobre a possibilidade de faltar água e como podemos economizar de forma consciente, agora precisamos avaliar o descaso com a impureza da água.

Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil

Faltar água já é um caos possível em virtude de tantos fatores, mas em tendo água, o pior ocorre, a poluição dos rios, córregos, destino incorreto de esgoto, produtos químicos e o tão famoso lixo descartado de forma incorreto. Não é possível que os seres humanos, minimamente civilizados tenham tais atitudes.

É preciso ser feito algo urgente. Poder público deve fiscalizar. Mas o poder público também deve orientar, conscientizar, educar e criar mecanismos de auxílio para que haja uma mudança cultural. Se precisar, “desenha”. Minha indignação com uma geração que joga o lixo na rua, nos rios e por todo lugar. Existe coleta seletiva de lixo para quem não sabe.

Poluir a água, tratá-la de forma incoerente, lidar com indiferença e simplesmente culpar os “outros” certamente irá levar a nossa sociedade a viver o caos. O ser humano não vive e não sobrevive sem a água potável. Já passou da hora de cuidarmos e não poluirmos este bem tão precioso. Depois não reclame que o valor da água irá aumentar! Pois a conta uma hora virá! Por hora, brindemos a água com uma boa água potável?

*Evandro Razzoto  é coordenador de Ciência e Tecnologia da SETI – Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Governo do Estado do Paraná. Professor da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), consultor e palestrante ambiental. Além disso, escreveu o livro Eco Sustentabilidade: Dicas para tornar você e sua empresa sustentável, em que fala principalmente sobre como conciliar os três pilares da sustentabilidade (crescimento econômico, responsabilidade social e preservação ambiental) na gestão e marketing das empresas