Chega de água? Me parece que apenas estão começando. Cidades mal planejadas, rios canalizados, lixo que entope bueiro, ação da natureza, poluição, impermeabilização do solo e por ai vai. São tantas as desculpas ou respostas. O que não existe mesmo é consciência e uma ação conjunta das pessoas, do poder público e da união para o bem comum do planeta.

E não é que chovei torrencialmente de novo? São Paulo foi acometido de uma chuva devastadora, mais de 130 milímetros de chuva, o que levou a metrópole ao caos. Curitiba com seus 30 milímetros um dia antes foi suficiente para um pequeno caos. Como já falei por aqui, culpar alguém, dar desculpas ou querer achar culpados não resolve e nunca resolverá nada. Somos resultado daquilo que plantamos.

 

Entendo que é preciso dividir responsabilidades e culpados. As pessoas, o cidadão, a população em geral precisa ter consciência, aprender, por bem ou por mal que jogar lixo na rua ajuda a entupir bueiro, poluir e levar ao caos. Que colocar calçada demais nas casas só atrapalha o escoamento da água. O poder público, além de orientar, educar a população, precisa ensinar através de políticas públicas, precisa investir na preservação das árvores e da biodiversidade dos rios, limpar galerias, fiscalizar e construir a longo prazo uma solução.

É inadmissível que com tanta tecnologia não tenha uma solução. Os alunos, nas escolas e universidades, tem solução. O mundo tem solução. Não precisa querer inventar a roda, tem tantas soluções em cidades pelo mundo que podem ser replicadas como solução. Cobrar é preciso, mas muito mais é preciso construir com todos os atores uma aliança para evitar tantos problemas como as enchentes.

*Evandro Razzoto  é coordenador de Ciência e Tecnologia da SETI – Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Governo do Estado do Paraná. Professor da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), consultor e palestrante ambiental. Além disso, escreveu o livro Eco Sustentabilidade: Dicas para tornar você e sua empresa sustentável, em que fala principalmente sobre como conciliar os três pilares da sustentabilidade (crescimento econômico, responsabilidade social e preservação ambiental) na gestão e marketing das empresas