Hoje o tema é um pouco mais sério, e vale a atenção, pois nossa mente é nosso carro chefe, e assim também é das pessoas que amamos.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que, nos próximos 10 anos, a depressão venha a ser a doença mais comum do mundo, afetando mais pessoas do que outras questões de saúde.

Medo, mágoa, frustração, desapontamento, culpa, sentimento de inadequação, sobrecarga, sufoco, solidão, melancolia. Eles nem sempre significam depressão, afinal, fazem parte da vida e, em estado normal, temos capacidade e força para superá-los.

Mas atenção, se eles começam a dominar o espaço do seu eu, da sua força de vontade, da sua alegria de viver, aí existe um sinal de alerta.

Pixabay

Embora invisível aos olhos, a dor psíquica, não pode ser ignorada (tem coisas que só um coração percebendo o outro coração é capaz de enxergar, não permita que a correria do dia a dia te faça deixar de olhar para as pessoas).

A dor psíquica é aquela que não se resolve com gesso, nem com anti-inflamatório. A dor psíquica é aquela que estrangula a respiração mesmo sem ter nada na garganta, que cobre o peito de uma angústia indescritível, que promove um caos interior, que dói tanto e tão profundo que algumas vezes pode se tornar insuportável, que deixa tudo cinza, que anula o prazer de viver. E o mais grave, essa dor ninguém pode ver ou medir, só quem sente ou sentiu a conhece de fato.

Essa dor é a dor da depressão, e depressão não é frescura, ela é um pedido de socorro do corpo e da mente que se perderam na estrada da vida e no próprio interior.

Um dos grandes riscos da depressão é o suicídio, e justamente por isso é que aproveito o setembro amarelo para falar desse tema.

Estamos no mês mundial da prevenção do suicídio, e o Setembro se tornou amarelo para lembrar a todos a alegria, a luz do sol, a luz da vida.

Segundo o Centro de Valorização da Vida (CVV) o suicídio ainda enfrenta grandes dificuldades na oferta e busca por ajuda, justamente por haver preconceito e falta de informação.

Então compartilhe esse artigo com alguém, vamos levar conhecimento para que mais pessoas possam buscar ajuda, ou para que outras possam sejam notadas e ajudadas. Conhecimento é luz de auxílio.

Não sou psicóloga, nem psiquiatra, mas sei o que é sentir que a vida perdeu o sentido. A depressão lembra um pouco a destruição de tudo, e para isso a chave é construir-se (e se você está doente neste momento eu entendo que não é tão simples como falar ou escrever, mas é possível dar pelo menos um passinho, pode ser?)

A primeira coisa que é importante é encontrar algo em que acreditar, assim sendo, se estiver sentindo sua vida em pedaços, sustente suas bases em Deus (ou aquilo em que acredita), a Fé é um dos elementos que vai te ajudar a se construir, tijolo por tijolo. Sempre com paciência, com amor por si mesmo, criando alicerces ainda mais firmes.

Saiba que podem acontecer ventos fortes enquanto levanta as estruturas, mas não desista, confie, o sol irá retornar, e siga construindo pedacinho por pedacinho, isso fará, com o tempo, nascer uma estrutura nova, firme e forte.

Eu escrevo aqui com um enorme desejo de contribuir, e sei que não é fácil. Caso esteja muito muito difícil dar seus passos, quando não puder levantar seu tijolo sozinho, peça ajuda. (a ajuda dos amigos e familiares também é muito válida, são apoio, mas você precisa ter consciência de que eles não podem indicar um tratamento ok? – a não ser que sejam médicos rsrsrs)

Importante: Não tenha vergonha de buscar ajuda especializada, busque um psicólogo, um psiquiatra, siga os tratamentos.

Existe também uma linha gratuita para pedir socorro em caso de ficar sem chão, é só discar 188 (24 horas e sem custo de ligação). Também tem o auxílio presencial em 93 postos de atendimento no país, acesse o site www.cvv.org.br e confira os locais.

Ajude a divulgar um conhecimento que pode salvar vidas. Saúde mental é coisa séria!

Desta vez não vou deixar uma pergunta, mas uma citação que gosto muito:

“Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.” – Carl Jung

Contato:

Me acompanhe e empreenda sua vida.

Gostou desse artigo? Manda um e-mail contando para mim, quero ouvir a sua opinião.

Pode enviar também sua dúvida ou comentário, quem sabe posso fazer dela o tema de um artigo do blog!