Já ouvi essa expressão muitas vezes de pais ou professores preocupados com a pronúncia diferente que a criança faz de algumas palavras.

A articulação dos sons da fala depende de todas as estruturas envolvidas: lábios, língua, bochechas e dentes, incluindo também o que chamamos de freios labial e lingual. Todos têm papel importante e necessitam de força e movimento adequados. O freio lingual é uma membrana que todos temos no soalho da boca e que quando é encurtado dificulta a elevação da ponta da língua. Nesses casos, sua mobilidade fica prejudicada.

Uma vez que muitos fonemas (sons) dependem de tal elevação, a fala pode apresentar compensações que levam às distorções ou substituições fonêmicas. A literatura define o Distúrbio Articulatório como um diagnóstico fonoaudiológico dado ao indivíduo que apresenta dificuldades na articulação dos fonemas ocasionadas por alterações funcionais nos órgãos periféricos da fala.

Nos casos de freio lingual curto se manifesta por dificuldades na articulação dos fonemas cujo ápice lingual deve tocar papila incisiva e/ ou palatina (l / n/ r/ t / d/ s/ z). As alterações de fala, de maneira geral, têm impacto negativo na vida social e escolar da criança, influenciando suas relações com o meio e inclusive com a sua auto-imagem.

Alguns pediatras constatam essa alteração logo nos primeiros dias da criança e procedem o “picote” ou frenectomia. Quando observado mais tarde, o pediatra ou odontopediatra poderá realizar o procedimento. O fonoaudiólogo deve auxiliar adequando a musculatura e a pronúncia correta das palavras quando necessário. Quanto antes trabalhado menor o prejuízo na comunicação.

Desde 2014 o “Teste da Linguinha” é feito nas maternidades públicas e privadas para evitar prejuízos para o bebê desde o período de amamentação. Alguns casos não diagnosticados podem levar ao desmame precoce pois, a mãe sente dores ao amamentar e sofre ao ver que o filho não está mamando bem. Pesquisas indicam que grande parte da população escolar apresenta alterações de freio lingual, vale o alerta aos pais e professores!

Autoras do Blog:

Ana Valéria Souza

Fonoaudióloga formada pela PUC-PR.
Fonoaudióloga Clínica desde 2000 atuando com intervenção nos distúrbios da comunicação. Fonoaudióloga Educacional desde 2008 desenvolvendo projetos de prevenção, triagens, formação de professores e orientação aos pais. Premiada pelo Sindicato das Escolas Particulares do Paraná pelo projeto “Crescendo e Aprendendo”(2015).
CRFa 7370-PR.

Yasmine Hernandes David João

Psicóloga formada pela Universidade Positivo.
Psicóloga clínica, trabalha com crianças e adolescentes. Atua com transtornos geralmente diagnosticados pela primeira vez na infância ou adolescência.
CRP-08/24131.

*Especialização em Educação Especial Inclusiva com Ênfase em Autismo – cursando.