Imagem ilustrativa

Na prática como Fonoaudióloga Clínica e Educacional observo que as áreas de linguagem e aprendizagem caminham juntas e a participação da família no processo de desenvolvimento das capacidades intelectuais da criança é fundamental.

É preciso reconhecer que o cérebro é ativado e as associações mentais são favorecidas mediante as experiências de comunicação, as brincadeiras, as sensações recebidas e as emoções envolvidas na convivência social. Por isso, essas tais vivências pelas quais nós adultos somos responsáveis precisam ser positivas!

Incluí no meu repertório de avaliação do paciente a visita domiciliar. A ideia de conhecer a rotina da criança, seus brinquedos e brincadeiras, entender onde dorme, quem são seus cuidadores, se reconhece um ambiente da casa como seu refúgio, onde faz suas refeições e como se estabelece a comunicação entre os membros da família me dá indícios de como a linguagem e a aprendizagem podem ser potencializadas.

Na primeira infância é importantíssimo que os adultos reforcem as verbalizações da criança pequena, brinquem com ela, criem faz-de-conta, tenham miniaturas de animais e objetos que facilitem a criação de um vocabulário que será reproduzido e ampliado gradativamente. Livros de história até no banho já favorecem a aprendizagem da leitura! Se os brinquedos ficarem guardados em caixas organizadoras ela precisará pedir o que quer, assim como os alimentos de cima da mesa ou dentro dos armários, aprender a pedir é evoluir na interação social.

A linguagem e a aprendizagem, como dito, estão vinculadas às vivências, nesse momento a reflexão sobre a autonomia é fundamental. Sentir a terra, a areia, a chuva, o caldinho de feijão na mão quando está comento sozinha são mensagens importantes recebidas pelo cérebro e influenciam diretamente nas conquistas intelectuais e verbais.

O desempenho escolar e as abordagens ofertadas pela educação formal são fundamentais, porém as associações sofrem influência do meio desde muito antes da escolarização acontecer, é nossa responsabilidade como pais estimular e pedir auxílio de profissionais quando temos dúvida no processo do desenvolvimento infantil.

Autoras do Blog:

Ana Valéria Souza

Fonoaudióloga formada pela PUC-PR.
Fonoaudióloga Clínica desde 2000 atuando com intervenção nos distúrbios da comunicação. Fonoaudióloga Educacional desde 2008 desenvolvendo projetos de prevenção, triagens, formação de professores e orientação aos pais. Premiada pelo Sindicato das Escolas Particulares do Paraná pelo projeto “Crescendo e Aprendendo”(2015).
CRFa 7370-PR.

Marini Fussek

Fonoaudióloga, Especilista em Linguagem, Especialista em Distúrbios da Comunicação, Neuropsicopedagoga, Mestre em Educação, Fonoaudióloga clínica, Professora de Pós Graduação.
CRFª 4047.

Yasmine Hernandes David João

Psicóloga formada pela Universidade Positivo.
Psicóloga clínica, trabalha com crianças e adolescentes. Atua com transtornos geralmente diagnosticados pela primeira vez na infância ou adolescência.
CRP-08/24131.