Gaudério é um termo gaúcho para designar aquele sujeito que não tem parada. É um trabalhador rural que ora fica em uma fazenda, ora em outra e não para em nenhuma. Também quer dizer um sujeito preguiçoso, mas esse não é o caso.

Eloi Zanetti e Eloisa Carneiro: experiências

Nos últimos tempos, graças a web, surgiram alguns sites que fazem a intermediação entre jovens que desejam viajar gastando pouco e trocam a hospedagem, pouso e alimentação, por trabalho voluntário.

Funciona assim: os interessados em receber trabalho voluntário, quase todos em áreas rurais: ONGs, fazendas, pousadas, restaurantes e hotéis colocam suas informações e necessidades em um dos sites que administram a colocação de voluntários – é mundial.

TUDO COMBINADO

Os que procuram hospedagem se candidatam e devem chegar ao local por conta própria. Combinam quanto tempo irão ficar, horas trabalhadas por dia e informam suas especialidades: colheita, capina, marcenaria, cozinha, aulas etc. A família de Elisa Carneiro e Eloi Zanetti que administram um plantio de oliveiras na Serra da Mantiqueira já recebeu voluntários de vários países e contam que a troca de informações e experiência é rica para todos.

ENSINAR E APRENDER

“Ouvimos e contamos histórias, ensinamos, aprendemos e até fazemos músicas e cantamos juntos. No ano passado recebemos por um bom tempo uma família de australianos – pecuaristas – em seu país – hoje estão morando no Uruguai, gostaram do país e compraram uma pousada por lá. Outro, professor de yoga, viajou por 10 anos pelos países asiáticos somente neste sistema. A única experiência que não deu certo foi com uma chinesa, que por estar em uma área rural entre montanhas teve crise de abstinência por falta de sinal de internet.”

Entre os diversos sites que administram os trabalhos de voluntários estão os da wordpackers e a da workaway.

Leia a coluna aqui