Nos “tempos de Rafael Waldomiro” nem tudo são maravilhas, adverte o deputado estadual Goura Nataraj (Jorge Brand), do PDT, diferenciado parlamentar numa Assembleia Legislativa raquítica de valores intelectuais e controlada pela antiquíssima política do dá lá toma cá.

Goura Nataraj: denuncia “verniz” de Rafael Greca

Nascido e criado em Curitiba, filho de uma psiquiatra e de um jornalista, Goura é a marca da diferença política: foi o único vereador de Curitiba a se eleger para a ALEP em 2018, e tem um perfil acadêmico raro.

Elegeu-se porque foi vereador combativo em defesa de Curitiba, ele não se cansa de assim explicar sua eleição.

HISTÓRIA DE VIDA

Formado e pós-graduado em Filosofia pela UFPR, tendo sido monitor de Grego na sua classe, na UFPR, pode mostrar extenso currículo de cursos ministrados no Paraná. Alguns deles nos domínios de suas ligações com o hinduísmo, outros, Filosofia pura, com concentração em Schoppenhauer, filósofo que motivou sua tese de Mestrado.

AMOR À CIDADE

Apesar da forte vocação acadêmica, o que, no entanto, parece ter mesmo fisgado Goura, 38, foi seu amor à cidade e à forma como encara questões urbanas que – opina – “são também questões que envolvem o ético, o moral, o legal”.

DESMANDOS

Defensor aguerrido das práticas de sustentabilidade urbana, “uma delas a abertura da cidade para a bicicleta”, Goura não se conforma como com certos desmandos que, opina, ocorrem na Prefeitura.

Um desses desmandos, aponta parcialmente, mas é de suma gravidade.

Diz:

– Curitiba parou no tempo. O que impera hoje é um verniz de sustentabilidade, com o IPPUC, que outrora foi uma Sorbonne, totalmente fechado à população e ao debate. Isso sem falar que é agora uma cidade sem incentivo à bicicleta, contrariando uma tendência mundial, sem falar nas calçadas que são arapucas para idosos e crianças, especialmente.

IRREGULARIDADE

Para Goura, um dos melhores exemplo desse ‘verniz de sustentabilidade’ ele identifica no recente evento promovido pela Prefeitura de Curitiba, denominado de ‘Smart City’:

– Em dois dias, a Prefeitura gastou R$ 1,8 milhão, sem licitação, pagando a uma empresa, preposta de outra, originária de Barcelona, dona da franquia denominada mundialmente de ‘Smart City’.

MAIS DENÚNCIAS

A série de observações de Goura vem com uma outra, em tom de denúncia mais grave, matéria obrigatória a ser apreciada por órgãos de controle, como o MPE e o TCE:

– Parece que a cidade é propriedade do prefeito, que faz e desfaz dela como bem entende, atropelando a legislação e ao bom senso. Disso é exemplo o contrato com a empresa da promoção “Smart City”: o documento assinado com a empresa leva a assinatura também de pessoas que foram palestrantes.

IMPROBIDADE

Isso pode gerar arguição de improbidade administrativa, assunto que não parece estar interessando a Rafael Waldomiro Greca de Macedo. O prefeito parece só se subordinar às orientações que recebe de seu marquetólogo Marcelo Cattani, que despacha de dentro do gabinete do alcaide.

O que se prevê é que o assunto, dentre outros, terá desdobramentos agora e na campanha eleitoral de 2020.

É CANDIDATO

A propósito: Goura não esconde, quer concorrer a prefeito em 2020. Nesta sexta-feira, por exemplo, o parlamentar almoçou com outro provável candidato a prefeito. Troca de figurinhas.

Goura até tentou conquistar Mônica Rischbieter para vice de sua futura chapa em 2020. Ela disse não.

Leia a coluna completa aqui