Com qualificação profissional que acompanha modernização e automatização do trabalho, Fundação de Asseio e Conservação Serviços Especializados e Facilities do Paraná completa 18 anos e fomenta um dos setores que mais emprega no país.

Adonai Arruda, liderança mundial do setor de limpeza e asseio, circundado por cenas dos cursos da FACOP: Supervisor de asseio, formação em limpeza, portaria profissional, copeiro, jardineiro, encarregado administrativo entre outros cursos.

 

São pelo menos dois milhões de trabalhadores com trabalho formal em 13 mil empresas espalhadas pelo território brasileiro. Esse exército formado por profissionais da limpeza, jardineiros, recepcionistas, seguranças e outros trabalhadores do ramo dos facilities movimenta a economia brasileira e garante o asseio e a conservação de todos os ambientes – desde os edifícios públicos, às escolas e estabelecimentos comerciais. Em 18 anos de atuação, a FACOP já capacitou cerca de 90 mil profissionais do setor paranaense e encaminhou 20 mil para postos de trabalho do segundo mercado que mais gera empregos formais no Brasil, ficando atrás apenas da construção civil.

CAPACITAÇÃO GRATUITA

A oferta de capacitação gratuita é fruto de uma parceria única, que reúne esforços dos sindicatos patronal e laboral a fim de gerar mais qualidade na prestação de serviços, qualificação e reconhecimento dos trabalhadores da área. “Nós compreendemos que existe uma relação de interdependência entre empresários e empregados do setor e isso nos deu maturidade para inovar e criar a única fundação no mundo com essas características”, relembra Adonai Arruda, presidente do Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação (SEAC) e co-fundador da FACOP. “Nossa força de trabalho vem da base da pirâmide, tanto em termos econômicos quanto culturais e a FACOP oferece o aprimoramento da mão de obra com senso de dignidade profissional: essa é a diferença”, completa.

HISTÓRICO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS

De acordo com dados do CAGED, do Ministério do Trabalho, no início da década, com mercado aquecido, o setor oportunizou forte alavancagem na oferta de empregos, gerando cerca de 250 mil vagas entre 2009 e 2014: só em 2010 foram gerados 93 mil empregos em todo Brasil. Não tão otimista, diante da crise, o setor perdeu postos de trabalho por três anos consecutivos, de 2015 a 2017. A recuperação começou no primeiro semestre de 2018, com mais de 20 mil novos empregos para o setor. A expectativa para 2020 é aproveitar a retomada da construção civil gerando mais emprego, qualificação e, principalmente, valorização dos trabalhadores da área. “Estamos confiantes que o segundo semestre será promissor e que o setor dos serviços terá uma resposta rápida”, comenta Arruda.

FACOP É FORMADORA

No Paraná, a FACOP tem papel fundamental na articulação entre qualificação, reconhecimento profissional e empregabilidade em diversas cidades do Paraná. Só em 2018 a organização emitiu 13.954 certificados de conclusão de cursos que têm o fator comportamental e ético como fio condutor. Em 2019 o número chegou a 14.952.

Com 13 mil m² de área construída, a área educacional da FACOP funciona em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba, e oferece infraestrutura e metodologia de aulas em formato laboratorial. Os alunos recebem capacitação gratuita nas mais diversas áreas de limpeza e conservação e têm a oportunidade de treinar seus conhecimentos de maneira prática em ambientes projetados que simulam a realidade laboral: quartos de hospitais, indústrias, hotéis, recepção executiva, segurança e jardinagem. A oferta de ensino a distância amplia o impacto da organização que oferece conteúdo online de forma interativa e inovadora.

A organização também atua de forma pioneira na área de segurança do trabalho, tendo fundado, em 2013, o primeiro Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho do país. O SESMT Coletivo é formado por uma equipe multidisciplinar e conta com acompanhamento e reconhecimento do Ministério do Trabalho. O SESMT Coletivo e a Central de Empregos funcionam no centro de Curitiba.

Para ler a coluna completa do Blog Aroldo Murá, clique aqui.