Promotora Daniela Thomé: só fala na próxima semana

Promotora Daniela Thomé: só fala na próxima semana

Só na próxima semana, talvez no meio dela, a promotora Daniela Thomé, do Ministério Público do Paraná (MP), vai responder às muitas indagações que a imprensa local tenta lhe fazer, sobre suas declarações ao Estadão de domingo, segundo as quais há deputados da Assembleia Legislativa do Paraná investigados sobre o chamado “rachid”, o rachar de proventos de funcionários com suas excelências.

Nesta quarta-feira, Ricardo Noblat, no mesmo Estadão, voltou ao assunto, citando a promotora.

POUCO RESOLVE

Para Daniela, nem sempre o recorrer à justiça, pedindo a quebra de sigilo bancário dos investigados resolve. O assunto é complicado:

– É muito difícil provar (o “Rachid”, a divisão do dinheiro). Às vezes nem isso adianta.

EM SÃO PAULO

A opinião semelhante foi dada pelo promotor Silvio Marques, colega de Danielle da área do Patrimônio Público do MP de São Paulo: “Muitas vezes não conseguimos traçar o caminho do dinheiro”.

EM 16 ESTADOS

A reportagem do jornal revelou que assembleias legislativas de 16 estados são alvo de investigações desse tipo de peculato (“rachid”) pelo MP.

E mais: a metade dos deputados estaduais do país responde por esse tipo de suspeita de irregularidade ou outras.

A promotora Daniela, de férias, promete fazer declarações na semana próxima. Até lá, na onda do suposto “rachid” do agora senador Flávio Bolsonaro, o assunto é visto como bomba relógio também na ALEP.

Pode estourar a qualquer momento.

Assembleia do Paraná

Assembleia do Paraná

Leia a coluna completa aqui