LACEN, Laboratório Central do Estado do Paraná. Curitiba,22/08/2019 Foto:Jaelson Lucas / ANPr

A Secretaria de Estado da Saúde já cadastrou quatro laboratórios privados para ajudar o Laboratório Central do Estado (Lacen) na validação dos testes de pessoas suspeitas de contrair o novo coronavírus (Covid-19): Genoprimer e Unimed, em Curitiba (PR); Sabin, em Brasília (DF); e Dasa, em São Paulo (SP).

O cadastramento atende uma nova metodologia proposta pelo Ministério da Saúde. Ela visa ampliar o mapeamento dos casos e, a partir de um quadro mais exato, permitir que o Estado efetive novas medidas para conter a circulação viral e prepare a rede hospitalar com intuito de isolar pacientes do Covid-19. Entre quinta-feira e domingo, mais de dez dos 54 casos confirmados vieram de laboratórios privados.

“Desde quinta-feira (19) estamos jogando nos nossos boletins todas as confirmações dos exames realizados nos laboratórios já considerados aptos para entrar nas estatísticas, o que acontece de maneira escalonada, conforme o cadastramento”, afirmou o secretário da Saúde, Beto Preto. “Ainda estamos credenciando laboratórios privados e só usamos os dados depois que eles forem aprovados em todos os critérios estabelecidos pelo Estado”.

MAIS ÁGIL

Segundo a nova metodologia, não é mais exigido o segundo teste pelo Laboratório Central do Estado (Lacen), desde que o laboratório privado que realizou ou realizará o primeiro esteja devidamente credenciado.

O protocolo estabelecido anteriormente pelo Ministério de Saúde era de que os exames passassem obrigatoriamente pelos laboratórios de cada Estado, mesmo que já realizados por instituições privadas. Ou seja, ainda que um laboratório particular testasse positivo para o Covid-19, era necessário o envio de uma amostra do paciente para o Lacen.

 

ESTADO X MUNICÍPIOS

A Secretaria de Saúde também esclarece que eventuais diferenças de números entre o boletim estadual e as secretarias municipais de saúde decorrem dos intervalos de notificação.

Segundo a normativa federal, todos os casos do País devem ser registrados por serviços públicos e privados, por meio do formulário eletrônico, dentro das primeiras 24 horas a partir da suspeita clínica.

Esse formulário é cadastrado em um sistema de processamento de dados do Ministério da Saúde, compartilhado com os estados.

A infecção humana pelo novo coronavírus é uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII), segundo o Regulamento Sanitário Internacional. Portanto, trata-se de um evento de saúde pública que exige notificação imediata.

 

Leia mais em www.aroldomura.com.br