É constitucional: não se pode colocar dinheiro público em espaços privados. Mas alcaide promete “abraçar” igrejas com mangueiras de luzes natalinas.

Natal de Curitiba em 2018 e Árvores de Natal: MPE de olho nas irregularidades em 2019 (Parque Tingui)

 

O edital de patrocínio de Natal da Prefeitura de Curitiba, n° 1/2019, chamou a atenção do Ministério Público (MPE). Lançado pelo prefeito Rafael Valdomiro de Macedo, o processo abre mão de espaços de publicidade – em ônibus, painéis de LED e mobiliário urbano. São locais que se fossem locados pela iniciativa privada superariam mais de R$ 1,5 milhão em aporte publicitário quinzenal, tendo o alcance de mais 1,6 milhão de pessoas por dia.

 

INFANTILIZADO

É a “generosidade” natalina do alcaide bem exposta, ele antegozando a Noite de Vigília “e a chegada do Bom Velhinho”, como se refere ao Papai Noel”, em seu falar por vezes infantilizado e gongórico. Mas sempre esperando resultados político-eleitorais, o que se amplia neste ano anterior ao das eleições de 2020.

 

GONGÓRICO

Gongórico e infantilizado no falar, esse tom se amplia no alcaide com a proximidade do Natal, como observa um vereador da base do prefeito na Câmara, que se diz “em vias de ruptura com o alcaide”.

 

CEDENDO ESPAÇOS

Cedendo os espaços publicitários, para fazer a decoração natalina na cidade, o prefeito natalino vai permitir o uso da cota da Secretaria Municipal de Comunicação Social a favor de empresas de eletrodomésticos, rede de supermercado, empresas de alimentos, banco que cuida da folha de pagamento do município e também fornecedores de ônibus para a cidade.

 

ECONOMIZANDO?

A justificativa do prefeito em abrir mão dos espaços publicitários é não gastar dinheiro público na festa, economizando para a cidade. Mas não foi o que aconteceu em 2018 em que a prefeitura, além se abrir mão de R$ 1,5 milhão em espaços publicitários por quinzena, ainda aportou mais de R$ 1 milhão dos 2 milhões aplicados em toda a festa.

 

MAIS R$ 4 MILHÕES

Ao todo, a prefeitura gastou mais R$ 4 milhões em recursos e espaço publicitário, superando o aporte da iniciativa privada, que ganhou 1 mês de exposição gratuita de suas marcas.

 

ÂNSIAS DO VALDOMIRO GRECA

A festa deste ano promete ser maior e a expectativa é que haja aportes financeiros pelo município na organização da festividade, que implicará também em aumento de horas extras pelos funcionários, todos obrigados a trabalhar para atender a ânsia do prefeito natalino.

 

DELÍRIOS

Um antigo funcionário da Secretaria de Fazenda, que conhece Rafael Valdomiro “desde que ele era vereador do PDS, o partido do regime militar”, garante:

-Tudo está de acordo com a personalidade do menino mimado, criado pelas tias. Tudo está dentro dos delírios natalinos do prefeito e sua trupe:

há decoração de igrejas. Mas elas não são espaços públicos. Isso é ilegal…

 

MANGUEIRAS ILEGAIS

Essa alfinetada do velho servidor – que nem por iniciais quer ser citado, “pois, afinal, não perdi o juízo” – é completada por outras observações preciosas, que mostram, ao mesmo tempo, ilegalidades que o prepotente alcaide vai praticando: as igrejas ganharão mangueiras de luzes iluminadas em seus entornos. Isso embora sendo proibido por lei aportar recursos públicos em espaços privados.

Igrejas são espaços privados, tenham as cores que tiverem.

 

A LISTINHA

Na lista de ‘pedidos de Greca’ há um carrossel italiano e roda gigante, sem contar de decorações de praças.

Rafael Valdomiro Greca de Macedo não mede esforços para gastar dinheiro em festas. Como uma criança mimada que em parte continua a ser, fica de olho na chegada da árvore de Natal.

 

PLAYLIST DO AUTO

Birrento, chega até definir playlist do Auto Natalino, que acontecerá no Largo da Ordem. Pois assim é a vida do prefeito: uma grande festa, que sempre é paga pelo dinheiro público.

Logo depois, estará com seu entourage cuidando do Momo, mais “Panis et circensis” …

Por último: O que também chama muito atenção no edital de patrocínio publicado no site da prefeitura é que a versão não possui data no documento. Ao invés do dia e mês, constam apenas as palavras inserir.

Para ler a coluna completa do blog Aroldo Murá, clique aqui.