Autoridade sobre o Brasil na II Guerra Mundial

Professora Carmen Rigoni

Morreu em Curitiba, e foi sepultada no Cemitério Água Verde, a historiadora e escritora Cármen Lúcia Rigoni. Ela nasceu em Assaí, no Norte do Paraná.

Primogênita entre cinco irmãos, Cármen Lúcia iniciou os seus estudos em Londrina, cidade próxima de Assaí, e graduou-se em História pela Universidade Estadual de Londrina (1968), casou-se com o contador e bancário Arlindo Rigoni, com o qual teve um casal de filhos – o Éder Maurício e Luciana. Carmem Lúcia virou professora, exerceu a carreira do magistério por cerca de 25 anos, trabalhando em escolas públicas do Estado do Paraná. Paralelamente, atuou na Secretaria de Estado da Cultura do Estado do Paraná, prestando serviços como pesquisadora e coordenadora de pesquisa no Museu do Expedicionário da LPE (Legião Paranaense do Expedicionário), em Curitiba, de 1982 a 1994, fator preponderante da dedicação e escolha dos temas que têm pautado toda a sua pesquisa nos últimos anos.

PÓS DOUTORADO NA FGV

Seguindo a trilha da devotada entrega às pesquisas e aos estudos, Cármen Lúcia fixou o olhar no horizonte e, com toda a força de sua aptidão intelectual, desenvolveu o mestrado na Universidade Federal do Paraná, entre os anos de 2001 e 2003; concluiu o doutorado em História Cultural na Universidade Federal de Santa Catarina, em 2009; e alcançou o pós-doutorado na Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, em 2013.

Uma particularidade: por causa de sua vasta pesquisa sobre a Força Expedicionária Brasileira (FEB), todos os trabalhos desenvolvidos nos cursos de pós-graduação estão voltados para essa temática.

MAIS PESQUISAS

Avó de Isabella (5 anos), Stella (7 meses), Dafne (10 anos), Benício (3 anos), a professora doutora Cármen Lúcia continuava com as suas pesquisas sobre o Brasil na 2ª Guerra Mundial; sendo professora nos cursos de pós-graduação lato sensu nas disciplinas voltadas para a Educação em trabalho efetivo na formação de professores, desde o ano 2000; e ainda era Diretora de Pesquisa do Instituto Histórico e Geográfico do Paraná (2015-2017) e representante da Associação Nacional da Força Expedicionária Brasileira-Seção Curitiba desde 2007.

OBRAS SOBRE FEB

Além da grande produção livresca (autora de seis obras sobre a FEB, além de diversos artigos publicados, a historiadora participou com palestras, a convite, de encontros, conferências e seminários em várias unidades militares e escolares com os temas de seus estudos. Desde então, vinha sendo agraciada com diversas honrarias. Entre inúmeras medalhas e diplomas recebidos encontra-se a Medalha do Mérito Cívico da Liga da Defesa Nacional (2016), destinada a agraciar as pessoas que tenham se distinguido na prestação de serviços à Pátria.

A importância do seu grande esforço e perseverança em seu trabalho de pesquisas, é que a especialista, doutora em História e escritora Cármen Lúcia Rigoni enriqueceu a História do Brasil com suas descobertas, com destaques para a história oral, in loco, evidenciando e propiciando ainda uma percepção histórica diferente da visão militar sobre o Brasil na Segunda Grande Guerra, que é estrategicamente fria e elaborada.

(Texto de Adamastor Marques, jornalista e cunhado)

Para ler a coluna completa do Blog Aroldo Murá, clique aqui.