Ratinho Junior: ouve reclamações (foto: Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo)

Ratinho Junior: ouve reclamações (foto: Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo)

Mas reclama, isso sim, do IAP, que não aprecia os projetos do Condomínio “Terras do Rio Itaqui”, que pretende criar, uma espécie de cidade nova, defronte à Renault, no outro lado da rodovia. Tem 2,5 milhões de metros quadrados e teria milhares de moradores de classe média.

“Atendo ao telefone porque é você, Aroldo”.

Com esta expressão, o empresário Joel Malucelli, ao me atender nesta quarta, 20, deixou claro que não está disponível para muita conversa. Está, sim, mergulhado em seus negócios, que são muitos.

Abriu exceção para responder-me a propósito de notícia divulgada na terça-feira, 19, por uma emissora de televisão de Curitiba, segundo a qual ele estaria fazendo reclamações quanto à TV Assembleia, concessão que a sua TV Icaraí venceu há vários anos para explorar aqueles serviços da AL.

– Não faria sentido reclamação de qualquer natureza, a licitação foi vencida sob a mais correta exação pela TV Icaraí. Eu e minhas empresas não temos qualquer contencioso com a Assembleia Legislativa, pode anotar. Foi concorrência limpíssima, afiançou.

“TERRAS DO RIO ITAQUI”

Se não está se aprofundando em temas políticos, embora se refira com simpatia ao governador Ratinho Junior, Joel Malucelli não foge de abordar assuntos empresariais que lhe são caros.

Assim me responde, quando lhe indago do enorme condomínio “Terras do Rio Itaqui”, de 2,5 milhões de metros quadrados, planejado em 2017, localizado defronte a Renault, em Piraquara.

Para Joel, há pelo menos 10 processos sobre o condomínio travados no IAP. Ninguém quer decidir, na repartição, assim como também sobre outros pedidos de liberação ambiental. As alegações são muitas, que podem ir desde não simpatia pelas chefias a alegações de que procuradores vetariam “in limine” a apreciação desses projetos.

“Justificativas” não faltariam, enfim.

Há reclamações empresariais sobre o assunto, levadas ao governador Ratinho Junior, que procura, dentro da maior legalidade, encaminhar solução via Secretaria de Meio Ambiente.

Resumo: há uma forte demanda na RMC para o empreendimento “Terras do Rio Itaqui”, que atenderia fundamentalmente a classe média, possibilitando a construção de centenas e centenas de moradias, em espaço com toda a infraestrutura.

Tudo, no entanto, depende do IAP e seus servidores.

Quando abordo os seus negócios de rádio, ele é taxativo: “Estão com meu genro, o João Arruda”.

Leia a coluna completa aqui