Leon Knopfholz: nova marca IKA. Ele mostra a mala de sua fabricação

Leon Knopfholz: nova marca IKA. Ele mostra a mala de sua fabricação.

Foi uma enorme encrenca entre duas famílias da comunidade judaica de Curitiba – anos 1980 – que acabou não só separando definitivamente os Grupenmacher dos Knopfholz, tradicionais empresários curitibanos.

No fundo estava a questão de quem poderia e como deveria comandar a indústrias de malas IKA. Os desacertos administrativos entre os sócios eram enormes. A ruptura familiar permanece séria.

A briga acabou, em seguida, com a produção de uma linha de malas que tinha acatamento no Brasil todo e entrava no mercado mundial. Qualidade e bom designer identificavam os produtos IKA.

TEMPOS ÁUREOS

A IKA foi um dos melhores e mais fortes símbolos do universo industrial de Curitiba, em que também tinham avultado no século 20 empresas igualmente paradigmáticas da cidade, como Móveis Cimo, Prosdócimo, Irmãos Campos Hidalgo, Móveis Guelmann, Bebidas Cini, Antisardina…

REAVIVAMENTO

Agora, uma empresa de comunicação envia ao blog/coluna release sobre o reavivamento da marca IKA, nos anos já recentes propriedade de Leon Knopfholz, jovem e multiempreendedor curitibano. A nova arrancada das malas começa por estabelecer ponto de venda em Ciudad Del Este, nas lojas Cell Shop.

O produto IKA é propriedade da K1 Licenciamento e Marketing.

MOMENTO OPORTUNO

No noticiário remetido, Leon Knopfholz diz, a certo trecho:

– “A decisão de expandir os produtos para o mercado internacional nesse momento foi motivada por um cenário oportuno a nível mundial, começando pela tecnologia que facilitou o acesso à informação, aumentando a eficácia na localização de boas oportunidades. “Também consideramos a vocação da IKA para identificar produtos de alta atratividade. Já fazemos isso no Brasil e podemos replicar essa inteligência e know-how fora do país”.

ABERTURA PARAGUAIA

Embora reconhecendo que o PIB paraguaio ainda é menor do que o paranaense, Leon admite que aquele país está dando lições de abertura liberal. Ele define o Paraguai como a “Singapura da América”, por convergir dois fatores importantes: condições privilegiadas de industrialização e financeiras. “Por isso, o nosso intuito é primeiro marcar presença no mercado interno paraguaio, o que já está acontecendo, e depois produzir nossas malas lá para distribuir para a América Latina”.

PARCERIA PORTUGUESA

Ainda em relação à internacionalização da marca IKA, o diretor de marketing comenta sobre os próximos passos. “A nossa pretensão é firmar uma parceria com Portugal muito em breve, que seria nossa porta de entrada para a Europa e para a África, mercado potencialmente forte nos próximos anos”.

O objetivo é levar a marca para outros países e aproveitar o seu potencial. “A IKA é uma marca muito bem conceituada e a sua distribuição precisa ser ampliada para condizer com isso”, finaliza Knopfholz.

COM TODO VIGOR

“A marca IKA está renascendo com todo o vigor nesse momento, recuperando toda a sua exuberância”, diz ainda o diretor de marketing. “A meta é alcançar o faturamento de R$ 8 milhões por mês até o ano de 2020”, pontua.

Leia a coluna completa aqui