“Queremos que Piraquara tenha uma das melhores escolas do país por meio de uma Parceria Público Privada, que vai gerar 10 mil empregos e construir escolas autossustentáveis para 10.000 alunos, totalmente mantidas pela iniciativa privada”, propõe Francisco Simeão Neto.

Empresários Francisco Simeão Neto e Luiz Bonacin

A cidade de Piraquara apresenta índices de educação infantil muito baixos. Dos 399 municípios do Paraná, a cidade ocupa a posição 340 na taxa de escolarização, que mede as notas das crianças de 6 a 14 anos, perdendo para 85% das cidades do Estado. Piraquara tem o segundo menor IDH entre os municípios do entorno de Curitiba.

A forma extremada como há anos vêm sendo conduzido os cuidados com o meio ambiente faz com que Piraquara não receba investimentos privados, mesmo de indústrias e atividades não poluentes.

PARCERIA SEM IGUAL

Para corrigir essa injustiça, o empresário Francisco Simeão e seu sócio Luiz Bonacin, estão apresentando uma proposta inédita de PPP, que envolve o governo estadual e a prefeitura de Piraquara.

“Queremos que Piraquara seja a campeã nacional do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), e que tenha uma das melhores escolas do país por meio de uma Parceria Público Privada, que vai gerar 10 mil empregos e construir escolas autossustentáveis para 10.000 alunos, totalmente mantidas pela iniciativa privada”, propõe Simeão.

ACREDITANDO NO FUTURO

Segundo ele, isto é possível sem qualquer dispêndio orçamentário do Governo do Estado ou da Prefeitura, que participariam do projeto oferecendo o que hoje eles não têm, ou seja, parte dos impostos futuros que essa inédita Parceria vai gerar. Impostos que não estão sendo gerados por se tratar de área rural, onde o município e o Estado atualmente nada arrecadam.

TRÊS MILHÕES DE METROS QUADRADOS

Chamado de “Portal da Graciosa”, o empreendimento será edificado em uma área de mais de três milhões de metros quadrados – cerca de 125 alqueires – com o que há de melhor e mais moderno na engenharia autossustentável. Somente poderão se instalar ali indústrias e centros de distribuição cuja atividade seja limpa e não poluente. Estas empresas receberão como incentivo do Governo do Estado 8% de crédito presumido de ICMS e isenção de IPTU e ISS pelo prazo de 25 anos.

CONTRAPARTIDA

Em contrapartida, serão construídos 504.000 m² de edificações para a implantação de indústrias e centros de distribuição, com a geração de 10.000 empregos e outros 25.200 m² de um complexo escolar para 10.000 alunos.

Segundo Simeão, o projeto escola autossustentável do Portal da Graciosa representa investimentos de 1 bilhão de dólares entre terrenos, edificações e implantação das indústrias e Centros de Distribuição.

R$ 150 MILHÕES/ANO EM EDUCAÇÃO

O terreno da escola de 144.000 m² e 25.000 m² de área construída e instalações completas para a Escola Autossustentável de Piraquara, incluindo piscina aquecida e quadras poliesportivas, no valor de 100 milhões de reais, serão doados ao Estado.

O custeio das escolas será feito pelas empresas instaladas no empreendimento, com investimento de R$ 12,5 milhões de reais mensais, ou R$150 milhões anuais. Além disso, as empresas assumirão todas as ações de saúde, inclusive odontológica, dos 10.000 empregos diretos e seus dependentes, e dos 10.000 alunos, dispensando os gastos do Estado e da Prefeitura em saúde pública na área do Portal da Graciosa.

MATAS CILIARES RECOMPOSTAS

Outra contrapartida, revela Simeão, será a recomposição das matas ciliares dos rios e nascentes, plantio de mata nativa e reflorestamento com araucária em 30% do terreno de 3.024.000,00 m².

O projeto é para 25 anos, sendo 10 nas diversas fases de implantação.

Decorrido o período de 25 anos, os benefícios fiscais cessam, terminando também o compromisso privado com a gestão e custeio das escolas, que voltam a ser responsabilidade do poder público.

PARA SER A MELHOR

Segundo os empresários Simeão e Bonacin, a escola nasce com a seguinte missão: “A Escola Autossustentável de Piraquara será referência para as escolas públicas do Paraná, com a missão de se tornar a melhor da América Latina em resultados acadêmicos”.

E para garantir a sua sustentabilidade, revela o visionário empresário, “o projeto das escolas contempla a autossuficiência com energia solar, que será gerada por painéis fotovoltaicos.

CAPTAR ÁGUA DA CHUVA

A água da chuva será captada, tratada, e aproveitada nos banheiros, jardins e na limpeza geral. O esgoto, tratado em biodigestores, vai produzir gás para uso na cozinha e aquecedores. O lodo resultante será higienizado e utilizado nos jardins”.

CIDADE, GRANDE BENEFICIÁRIA

Simeão assegura que Piraquara será plenamente beneficiada, já que as empresas que irão se instalar no PORTAL DA GRACIOSA deverão contratar 90% dos seus colaboradores entre residentes no município.

PROJETOS JÁ CONTRATADOS

Longe de ser um projeto sonhador de visionários, já estão contratados os projetos arquitetônicos do empreendimento. A prefeitura e a Câmara Municipal de Piraquara também já foram informadas do projeto, que será apresentado formalmente ao prefeito e aos vereadores na próxima terça-feira, dia 14 de maio, na Câmara Municipal, dias depois do lançamento da licitação do novo Plano Diretor do município. O próximo passo, segundo Simeão, será registrar o projeto no programa Paraná Competitivo do Governo do Estado, que estimula a atração de empresas no Estado.

DESAFIO E OPORTUNIDADE

O empresário lança um desafio: “Piraquara tem agora a oportunidade de decidir seu destino diante das próximas gerações. Ou acredita que poderá se desenvolver, como ocorre em áreas de extremo cuidado ambiental no primeiro mundo, onde o empreendedor é estimulado a investir sob rígidas regras ambientais, ou permanece como está, à mercê de um discurso ambiental que condena o município ao atraso, com o pior índice de IDH imaginável e escolaridade sofrível”.

Leia a coluna aqui