Já vou esclarecendo a uma ínfima (mas ativa) parcela de meus leitores, a qual acha que destino muito espaço a temas culturais: vou abordar rapidamente expressões culturais muito especiais.

Visão externa do Teatro Guaíra

Reconheço que muito valorizo meu olhar sobre duas instituições que valem quanto recebem de recursos do poder públicos e da iniciativa privada. É o caso da Fundação Teatro Guaíra, comandada por Mônica Rischbieter, fidelíssima à herança recebida de dois dos paranaenses mais importantes que tivemos no século 20 – Fanchette Rischbieter e Karlos Rischbieter; e a Orquestra Sinfônica do Paraná, abrigada na mesma Fundação TG, hoje fortemente apoiada pelo Instituto Orquestra Sinfônica do Paraná.

O Guaíra e a OSP fazem, neste Brasil raquítico de preocupações culturais, aquilo que em países desenvolvidos (nosso sonho europeu?), a escola fundamental faz: educam parte da população, ofertando o melhor alimento que uma Nação de jovens (ainda) pode ter, pelas benesses da expressão artístico-cultural.

Dia 22 deste mês, às 20 horas, por exemplo, no grande auditório do Teatro Positivo, a preços realmente populares, a OSP se apresentará, entregando a um público heterogêneo a melhor música erudita, com repertório variado, parte do qual a orquestra até apresentou, com o maior receptividade, no Festival de Campos Jordão.

Claro que não me canso de proclamar os nomes de abnegados, apóstolos do universo das artes, como Mônica e Samuel Ferrari Lago. São exemplários, como diria meu amigo o poeta Reinaldo Jardim.

Para algumas pessoas, a “paixão” demonstrada por esses notáveis pode parecer estranha. Afinal, essa gente, e os brasileiros em geral, só se alegram com jogadores de futebol e astros do show business.

Para finalizar, é importante é repetir uma das expressões mais oportunas que recolhi de um sólido professor universitário, acostumado a lidar com realidades de importação e exportação: “Para mim, o Guaíra e a orquestra são o nosso melhor produto de exportação”

-o-o-o-o-

PRESTANDO CONTAS

“Nosso público para o primeiro semestre, incluindo a participação no Festival de Campos do Jordão e no Festival de Londrina, foi de, aproximadamente, 20.000 pessoas. No ano passado, o público total foi de 64.071 pessoas.

A participação no Festival de Campos do Jordão foi uma grande honra para nós este ano. Fomos convidados pela Fundação Osesp para apresentar um concerto durante uma das noites da temporada artística do festival. Foi a primeira vez em mais de vinte anos que recebemos este convite.

O orçamento estimado para a realização da temporada completa, conforme divulgada no site (http://www.teatroguaira.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=1002) está em torno de 1.000.000 de reais. No caso da confirmação de novos concertos ou em temporadas que produzimos óperas este valor aumenta. Um dos nossos grandes parceiros para a Temporada 2019 é o Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná (IAOSP). O IAOSP reúne doações e patrocínios de pessoas físicas e jurídicas interessadas em apoiar a realização de concertos pela OSP.“

MÔNICA RISCHBIETER

presidente da Fundação Teatro Guaíra

Para ler a coluna completa do blog Aroldo Murá, clique aqui.