O que esperar para o varejo em 2020? Esta foi a temática das palestras feitas pelos executivos do Grupo OM Marketing & Comunicação nesta terça-feira, no Cinemark do Shopping Mueller, onde apresentaram as principais novidades verificadas no NRF Retail’s Big Show, maior feira do varejo mundial, realizada em janeiro em Nova York.

Vista geral do público no Cinemark, cerca de 350 pessoas (Foto: Felipe de Souza)

 

A décima edição do tradicional evento promovido pelo Grupo OM teve lotação máxima, e foi conduzida pelo diretor da Brainbox e um dos palestrantes, Zeh Henrique Rodrigues. “Uma das finalidades desse encontro é repensar os nossos próprios negócios, nos permitir um olhar macro, criando possibilidades de reinvenção e otimização para os nossos produtos e serviços”, afirmou em sua fala de boas-vindas ao público de mais de 350 pessoas.

A primeira palestra, intitulada “What’s going on in retail”, foi ministrada pelo professor Edward Nieuwland (Avans University – Holanda), que apresentou cases de sucesso de marcas varejistas com foco na experiência do cliente. “Você deve se questionar sobre três coisas: o que a minha empresa faz bem?, o que a concorrência faz bem? e o que o cliente quer?. Isso fortalece a conexão com nossos consumidores”, ensinou. Segundo ele, as empresas inovadoras no varejo possuem cinco pilares principais: boa estrutura de abastecimento, comunicação objetiva desde o layout das lojas, a oferta de experiências aos clientes nos locais de compra, estabelecem contato com os consumidores e possuem uma identidade de marca consistente. “Não há nada de errado em ser o segundo melhor, mas é necessário se antecipar, passando do entendimento para a previsão e execução”, garantiu.

Diretor da Senso Performance Omnichannel, Renato Vertemati falou sobre “Inovação e Performance”, compartilhando com o mercado local algumas de suas impressões referentes aos expositores da edição deste ano da NRF.

“Destaco três aprendizados principais, a presença e a interação do fator humano com a tecnologia, a inteligência artificial como item básico e a busca por soluções focadas em operações de retaguarda”, comentou. Ele utilizou casos de empresas fictícias para ilustrar como as marcas poderiam potencializar seus negócios a partir de algumas soluções verificadas em Nova York. “A inovação muitas vezes vem junto com a simplicidade”, disse, reforçando a importância do conceito clientelling, conjunto de técnicas com foco no relacionamento com clientes a longo prazo.

RELEVÂNCIA

Ficou a cargo de Zeh Henrique Rodrigues o encerramento do evento, mostrando a store tour feita pelos executivos e pela caravana de clientes e parceiros do Grupo OM durante a NRF 2020. “A palavra mais importante para as marcas é relevância. E fazer sentido é ainda mais primordial em um contexto de excesso de informação, de cobranças pessoais e profissionais. Existe uma demanda crescente para que as marcas auxiliem o consumidor a resolver ou minimizar esses desconfortos emocionais”, pontuou, citando o conceito chamado de “social acceleration”, ou seja, o alto grau de ansiedade, medo e insegurança gerado pelo bombardeio de conteúdo. “As marcas, o varejo e a indústria têm um papel fundamental de trazer calma, conforto, de oferecer menos e com mais qualidade ao consumidor, de promover a simplificação na jornada de compra e de vida”, ensinou.

Além disso, Zeh Henrique destacou a importância da confiança entre empresa e consumidor, uma relação que se retroalimenta. “Basicamente, a marca deve resolver problemas, ao mesmo tempo em que mostra seu propósito e posicionamento, sendo transparente e honesta com seu público. Sendo fiel ao seu posicionamento e entregando o que prometeu, está fechado o vínculo com o cliente”, finalizou.

Clique aqui para ler a coluna completa do Blog Aroldo Murá.