A conhecida capacidade que o ex-senador Roberto Requião de Mello e Silva tem de criar “fake news” e desancar a honra do próximo é muito conhecida. Vem de dezenas de anos.

Assim, com facilidade, ele andou espalhando que pede na justiça eleitoral o mandato do senador Flávio Arns (REDE), a quem culpa – é o que tudo indica – por não ter sido reeleito; bem como também se disse derrotado por muitos vídeos que depuseram contra sua candidatura, produzidos por outros adversários.

TELEFONEMA

Nesta quarta-feira, 13, o senador Flávio Arns, me telefonou de Brasília, respondendo a minha indagação sobre o que haveria de verdade na alegação de Requião, segundo a qual ele, Arns, foi condenado pelo TCE e, assim, “não poderia ter sido candidato”, o que justificaria eventual perda de mandato.

NÃO HÁ PROBLEMA

Arns, com a consciência tranqüila e a polidez de nascença, com a segurança dos políticos acima de quaisquer suspeitas explicou:

a) a informação não tem procedência;

b) quando secretário de Educação do Paraná foi ordenador de repasse de R$ 10 mil (dez mil reais) para transporte escolar do município de Honório Serpa. Como a Prefeitura da cidade não prestou conta no tempo aprazado, Arns foi citado pelo TCE.

Mas a decisão foi revista pelo TCE, isentando o hoje senador de qualquer culpa, pois a cidade devolvera o recurso, com juros e correção monetária.

A devolução ocorreu antes das eleições.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Na tarde desta quarta, 13, a jornalista Melissa Guedes, ágil coordenadora de Comunicação Social do senador Arns, enviou-me a seguinte nota de esclarecimento assinada pelo senador:

“Informo ao povo paranaense que tenho conhecimento da ação proposta contra a minha diplomação pelo Tribunal Regional Eleitoral.

Esclareço que esta ação teve por base uma decisão já revista, a meu favor, pelo próprio Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR).

Neste sentido, renovo os votos pela construção permanente da séria e boa política, agradecendo a todos pelo apoio recebido. Será o Nosso Mandato!

Flávio Arns

Senador “

Leia a coluna completa aqui