Maria Ester

Tem brasileiro que aproveitou o longo feriadão de Páscoa para manter contato com movimentos sociais paraguaios, como aquele comandado em Assunção pela advogada Maria Esther Roa, que desenvolveu maneira singular de enfrentar políticos corruptos.

A advogada e seus companheiros – a maioria jovens -, inauguram uma constrangedora ação contra corruptos, que consiste em envolver a casa do corrupto com papel higiênico e ovos (podres).

O resultado tem sido impressionante, em termos até de mídia. Foi assunto, por exemplo, focalizado pelo The New York Times, revelando que a primeira “vítima” de Roa foi o senador José María Ibáñes, que em agosto passado sobrevivera a um impeachment. Mas tombou diante da exposição à base de constrangimento e do mau cheiro deixado pelos ovos.

Ele saiu do Senado.

Leia a coluna completa aqui