Fachada do Hospital N.S.da Luz dos Pinhais

Fachada do Hospital N.S.da Luz dos Pinhais

É muito estranho, mas é isso mesmo: os alunos dos quinto e sexto anos de Medicina da PUCPR, que cumpriam o chamado internato na Santa Casa de Curitiba – período de vivência prática em todas as áreas de atuação do hospital -, estão deixando a centenária instituição da Praça Rui Barbosa.

No ano próximo, eles começarão a ter aulas práticas no Hospital Cajuru, como seu novo e único hospital-escola; deixarão a Santa Casa neste final de ano.

Não é fácil entender os motivos apresentados para a mudança de um velho e fraternal acordo PUCPR X Santa Casa, embora o imbróglio ainda não tenha chegado a vias judiciais.

Mas o que acontece é o seguinte:

a) A PUCPR, ao longo dos anos, desde o final dos 1990, ao assumir, na prática, a administração da Santa Casa, foi injetando muito dinheiro (seriam R$ 30 milhões, valores de hoje) para garantir o funcionamento do centenário hospital da Praça Rui Barbosa. E, diga-se claramente: com atendimento fundamentalmente pelo SUS;

b) Ao mesmo tempo, desde 2002, a Santa Casa passou a ocupar um amplo espaço cedido pela PUCPR – sem ônus – para funcionamento de seu ambulatório, no amplo espaço do Hospital Nossa Senhora da Luz do Pinhais (Rua Marechal Floriano).

NUNCA PAGOU ALUGUEL

Fique claro: não houve cobrança de aluguel nesse tempo todo;

c) A situação mudou desde que a própria PUCPR entregou em 2017 a gestão da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba à associação Pró Saúde, entidade beneficente, sem fins lucrativos, mantida, na prática, pela Congregação dos Padres Camilianos e que atua em 11 estados brasileiros;

d) Os camilianos são religiosos católicos especializados em saúde, com ênfase em administração hospitalar.

O superior mundial dos camilianos é um catarinense, formado em Curitiba, padre Leonardo Pecini.

HOMENS DE NEGÓCIO

Dom João Bosco Oliver de Faria: provedor

Dom João Bosco Oliver de Faria: provedor

e) O raciocínio dos homens de negócio que gerem a PUCPR indica ser o seguinte: se o Pró Saúde ganha dinheiro gerindo patrimônio da PUCPR, porque a universidade não faz o mesmo com relação ao ambulatório localizado no Hospital N.S.da Luz do Pinhais?;

f) O valor que estaria sendo pedido pelo aluguel mensal seria de R$ 100 mil. Mas não se consegue confirmação oficial. As fontes não falam. Por ora.

g) O papel do ambulatório é valiosíssimo para a comunidade, pois atende a um público do SUS: só no ano de 2017 foram 437.857 consultas médicas lá feitas;

PRÓ SAÚDE: BONS RESULTADOS

Até agora a equipe do Pró Saúde na Santa Casa, comandada pelo administrador Eduardo E. Otoni, só colheu bons resultados, a começar por ter conseguido apoio de todos os médicos e funcionários, com modernas técnicas de gestão. Injetou recursos na Santa Casa, que encontrou com restos a pagar de R$ 5 milhões em 2017. Hoje os valores pendentes estão em torno de R$ 1 milhão.

Para 2020 a Pró Saúde espera “estar com as contas todas em dia”, diz uma fonte ligada ao provedor, o arcebispo emérito dom João Bosco Oliver de Faria.

BOA ADMINISTRAÇÃO

Para fontes da coluna/blog, a Pró Saúde “não fez milagres, apenas aplicou corretas técnicas de gestão administrativa”.

Uma delas, definitiva para a chegada de “novos tempos na Santa Casa”:

Ao contrário do que antes determinara a PUCPR, a gestão dos camilianos tratou de recuperar os planos de saúde, que haviam sido dispensados, pois o hospital só atendia 100% de clientes SUS.

O raciocínio é simples: os planos podem garantir meios financeiros para o atendimento SUS, “para um atendimento cristão aos doentes”, alega fonte médica.

A CONTA DA ELETRICIDADE

Um exemplo concreto de corretas decisões administrativas tomadas pelos novos administradores é a da “descoberta” de uma central de aquecimento de água que estava desativada há anos.

Agora, voltando a funcionar, atendendo o sistema de aquecimento dos chuveiros e banheiros, fez-se uma enorme economia. Os consertos por panes na rede elétrica decorrentes de falhas eram diários e onerosos.

ENTRA O PEQUENO PRÍNCIPE

Com a saída dos doutorandos da PUCPR, a Santa Casa de Curitiba receberá em 2019 para fazer residência os alunos da Faculdade de Medicina Pequeno Príncipe.

.-.-.-.-.-.-.-.-.

Para entender a Pró-Saúde

Um hospital, como o de Pinhais, gerido pelo Pró Saúde

Um hospital, como o de Pinhais, gerido pelo Pró Saúde

A Pró-Saúde é uma das maiores entidades de gestão de serviços de saúde e administração hospitalar do País. Tem sob sua responsabilidade mais de 2.068 leitos e o trabalho de cerca de 16 mil profissionais, sendo 2,9 mil médicos, contribuindo para a humanização do atendimento hospitalar, em especial do SUS. Com excelência técnica e credibilidade nacional, é uma Organização Social de Saúde (OSS) que oferece uma gama de serviços em benefício da vida.

A atuação na área de administração hospitalar tornou a entidade amplamente reconhecida no setor e permite que a Pró-Saúde ofereça a mesma qualidade em assessoria e consultoria, planejamento estratégico, capacitação profissional, diagnósticos hospitalares e de saúde pública, gestão de serviços de ensino e muitos outros.

SEM FINS LUCRATIVOS

A atuação da Pró-Saúde, entidade sem fins lucrativos, se alinha aos esforços da sociedade para o aperfeiçoamento dos serviços públicos de saúde. Como organização alicerçada na ética cristã e na vasta experiência católica de trabalho social, voltada aos mais diversos públicos, nas mais distintas realidades, a Pró-Saúde prima pela valorização da vida e pela defesa das condições essenciais para o desenvolvimento das pessoas.

Nos hospitais, nas unidades de saúde, nas UPAs, no Samu, nas creches, no atendimento a idosos, em todos os ambientes em que atua, promove o bem público e fortalece a dimensão humana dos serviços.

HISTÓRIA

A trajetória da Pró-Saúde se iniciou em 1967, com o trabalho de gestão hospitalar no município de João Monlevade (MG). Desde então, a instituição tem realizado um dedicado e duradouro trabalho marcado pelo profissionalismo, pela ética e transparência. Decano dos gestores de saúde do país e pioneiro dos cursos de administração hospitalar, o padre Niversindo Antônio Cherubin foi o primeiro presidente da instituição.

A Pró-Saúde possui a maior equipe de administradores hospitalares do Brasil, capacitados a promover soluções de gestão nas áreas de saúde e de assistência social. As soluções propostas pela Pró-Saúde são integradas, influenciando e racionalizando todos os setores da administração de um hospital, modernizando a gestão, buscando viabilidade econômico-financeira e promovendo um salto de qualidade no atendimento ao cliente.

LEIA A COLUNA COMPLETA AQUI