Cida Borghetti: descobriu “ovos de Colombo”

Cida Borghetti: descobriu “ovos de Colombo”

Vários fatores trabalharam contra uma melhor votação e a possível eleição de Cida Borghetti a novo mandato de governadora. Um dos mais notáveis empecilhos deles foi o forte processo de esvaziamento de sua aliança política, decorrente das acusações contra o ex-governador Beto Richa, sua prisão (e posterior soltura) e a prisão de assessores de Beto, além delação premiada de Fanini, que está no epicentro do imbróglio dos desvios de recursos da Educação.

VELHOS VESPEIROS

No entanto, quem quiser fazer um julgamento isento do curto governo de Cida, que está terminando, não terá dificuldades em apontá-lo como eficaz, sem escândalos, marcado por medidas que mexeram com velhos vespeiros, como a questão das concessionárias de rodovias, até então “intocadas”.

Cida manteve a correta política fiscal que já vinha identificando o Paraná e teve a importância de descobrir, por exemplo, alguns “ovos de Colombo”.

CINE VITÓRIA

Henriqueta Penido Garcez Duarte: apoio integral

Henriqueta Penido Garcez Duarte: apoio integral

O mais importante “ovo de Colombo” descoberto pela governadora, e que ainda não ganhou a repercussão devida, foi a oportuníssima destinação de um dos melhores espaços culturais existentes na cidade, o antigo Centro Estadual de Exposições, origem no antigo Cine Vitória, Rua Marechal Floriano, com quatro andares, e um auditório para 2 mil pessoas, que há quatro anos estava literalmente jogado para as traças.

ANTHONY PERKINS

O antigo Cine Vitória fez parte de grandes momentos da vida cultural de Curitiba: nos anos 1960, abrigava lá a promoção da Tribuna do Paraná, promotora do TribunaScope. Era prêmio Internacional de Cinema, comandado por Júlio Neto, jornalista. Naquele espaço desfilavam naquelas ocasiões nomes internacionais, como Anthony Perkins, Edward G. Robinson, Alain Delon, me lembro bem.

HENRIQUETA AVALISA

Anthony Perkins: lembrando o TribunaScope

Anthony Perkins: lembrando o TribunaScope

A presença da pianista e professora Henriqueta Penido Garcez Duarte no ato em que Cida formalizou a entrega daquele maravilhoso espaço, ideal para abrigar manifestações culturais, foi muito significativa. Pois Henriqueta está nos mais históricos momentos da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP), que para lá será transferida, com direito a utilizar o auditório e todo o espaço necessário para continuar a exercer seu papel único na vida universitária do Paraná.

UNESPAR

A EMBAP, desde que teve seu prédio histórico interditado, vive em área locada ao estado, na Rua Benjamin Constant. Instalação precária. “Agora vamos para o paraíso”, diz um professor daquela Escola.

A decisão da governadora tem alcance maior ainda: lá serão instalados cursos da UNESPAR (Universidade do Estado do Paraná), que tem campus em Curitiba, além do interior do Estado.

DISTÂNCIA

Claro que é preciso um amplo distanciamento crítico para se julgar amplamente uma administração como a do Paraná. Mas os indicadores iniciais são altamente favoráveis à mulher que, com simplicidade e objetividade, soube sondar e atender demandas antigas da sociedade paranaense. E que pareciam impossíveis de serem atendidas.

LEIA A COLUNA COMPLETA AQUI