Quem pode explicar o “imã” que identifica Carneiro Neto em sua capacidade de fazer amigos e influenciar pessoas, como diria Norman Vincent Peale?

Foram mais de quatro horas de autógrafos. Foto: Albari Rosa

 

Qual o segredo para um escritor de Curitiba – ou de outras cidades fora do eixo Rio-São Paulo – entrar na lista dos autores “Best Sellers”, aproximando-se daqueles que frequentam as relações como a dos ‘mais vendidos’ de Veja ou Folha de São Paulo?

Quem pode explicar os muitos ângulos dessa excepcionalidade é o jornalista e escritor Antonio Carlos Carneiro Neto, 71, que na noite de terça-feira, 29, bateu um recorde na Livraria Curitiba do Shopping Barigui e, possivelmente, na cidade, ao vender de uma sentada mil exemplares de seu último livro “É Disso que o povo Gosta”.

QUAL O SEGREDO?

Pergunto ao velho amigo Carneiro – que me coloca na sua relação dos jornalistas que viram seus primeiros dias em jornal, no Diário do Paraná -, sobre “seu segredo”.

Ele responde direto:

– Não há segredo, o livro de agora resume parte de meus 55 anos de jornalismo esportivo, com passagens por jornais históricos que não mais existem, e emissoras de rádio e televisão. Tudo o que tinha dizer sobre essa ampla deambulação profissional, uma paixão, está no livro…

Esse é meu acervo de vida, ou uma das melhores partes dele.

ANTECIPAÇÃO

Na noite de terça-feira, 29, levei um enorme susto: quando cheguei,

às 19 horas, adiantado para o início do lançamento do livro, as filas – no plural – para autógrafos de Carneiro Neto já eram estavam enormes.

E o jornalista já estava autografando o livro.

Coisa, acredito, de pelo menos umas 400 pessoas, naquele momento.] Depois, a coisa foi-se ampliando.

MIL LIVROS

No final, fontes da Livraria Curitiba do Barigui me confirmaram: foram vendidos mil livros na noite que se estendeu até às 22 horas.

Lá encontrei um amplo universo de amigos, de todas as áreas da vida curitibana, gente como o suplente de senador Paulo Salamuni – um gentleman, sempre atento ao interlocutor -, Orlando Pessuti, alegria transbordante, o publicitário Iran Souza, o deputado e radialista Luiz Carlos Martins (com Maria), Pedro Augusto Schwab… Impossível mencionar um décimo dos presentes ao beija mãos…

O fotógrafo Rogério Hoepers a tudo documentou.

PREPARANDO CAMINHOS

Sem poses como as que “adornam” certos escritores da cidade, alguns deles empachados em suas próprias autoavaliações de qualidade, Carneiro é um tipo singular. É simples, nunca simplório. E, ao mesmo tempo, universal do ponto de vista curitibano. Fala bastante, transpira conhecimentos gerais – História universal é sua matéria-chave -, e é indiscutível mestre na arte de fazer amigos e influenciar pessoas.

É RARIDADE

Essa capacidade de deambular diferenciadamente por Curitiba e Ponta Grossa, onde comanda um registro notarial -, faz dele um ser especial:

das duas cidades guarda nomes, histórias e estórias dos que cruzaram por ele nesses 55 anos.

Conhece o patriciado paranaense e os seres do povo, não discrimina ninguém.

REMEMORA O MUNDO

Carneiro tem uma cumplicidade saudável com o Paraná e sua gente, sem ser, no entanto, um provinciano. Pelo contrário, em certos momentos mostra-se cidadão do mundo, comandando rememorações que o colocam em grandes momentos de sua paixão-profissão, o futebol.

Assim é Carneiro Neto que inscreveu seu nome no esporte paranaense e que, como outros notáveis – como Airton Cordeiro – testemunhou in loco grandes momentos da Copa do Mundo, ao longo de decênios, narrando jogos.

Nenhum desses feitos, não entanto, seria suficientes para explicar esse escritor muito lido, tal como começa a confirmar o “É Disso que o povo Gosta!”.

Dessa forma, não tenho dificuldade em dizer: aquilo que explica o fenômeno do autor-jornalista best seller é a sua capacidade, única, de transformar em narrativa inteligente e bem humorada as raras facetas da alma paranista. E nesse retratar nosso espírito ele é mestre, para o bem e, às vezes, para o mal.

Aqui ficam, pois, alguns pontos salientes para entender Carneiro Neto, um ser insubstituível e essencial em nosso dia a dia.

Carneiro é um dos Grande Porta-Vozes do Paraná, diplomado que foi este ano pelo Instituto Ciência e Fé de Curitiba.

Clique aqui para ler a coluna completa do Blog Aroldo Murá.