Esse ano de 2020 ficará marcado nas nossas vidas para sempre. Será o ano do CORONAVIRUS, o ano onde fomos vencidos por um vírus microscópico, e pela hipocrisia, arrogância e individualismo dos seres humanos.

Quando a China resolveu expor ao mundo o problema com o novo vírus, no final de dezembro do ano passado, demos pouco caso para o tema. Estávamos mais preocupados com o Natal e as festas de Ano Novo. Os chineses erraram ao esconder o fato do Ocidente, proibiram os médicos de falaram sobre o problema e prendiam aqueles que se rebelaram por alertar sobre a crise. Os regimes totalitários são assim, calam quem discorda do poder.

Não digo que a culpa dessa crise é dos chineses, mas se tivessem sido mais transparentes talvez o problema hoje fosse bem menor. Com menos gente morrendo por aí.

Quando o vírus tomou conta a Europa o mundo passou a se mexer. Os italianos com uma população idosa muito grande estão vivendo dias de horror. Não existe infraestrutura para atender à população, as pessoas são largadas para morrer em corredores de hospital ou em locais improvisados. A Espanha está indo para o mesmo caminho, mas lá, os donos de hotéis, que perderam 90% dos seus clientes, decidiram ceder os seus espaços para os doentes menos graves, abrindo lugar nos hospitais para aqueles que mais precisam.

Os americanos radicalizaram ao botar todo o país em quarentena e evitar que pessoas de outros países chegassem ao continente trazendo consigo o vírus mortal.

Pixabay

E o Brasil, o que estamos fazendo?

Primeiro vimos um show de desinformação, depois o nosso presidente falando que tudo era histeria, daí chegou a hora do pânico com pessoas lotando os supermercados comprando de tudo e brigando por rolos de papel higiênico.

Depois passamos à fase da malandragem e do crime, empresas e pessoas vendendo álcool gel por 10 a 20 vezes acima do preço normal, outros falsificando o produto e a bandidagem assaltando até posto de saúde para roubar máscaras e outras coisas para vender no mercado negro.

Agora na fase do desespero estamos vendo as autoridades federais tomando decisões, os governadores batendo cabeça e se escondendo debaixo da mesa, e os prefeitos se transformando em pequenos reis, querendo passar por cima de todas as autoridades.

Em meio a isso tudo os casos estão aumentando e o Brasil se prepara à sua maneira para o pico dessa pandemia que deve ocorrer nas próximas semanas.

Vamos torcer para que o menor número de mortes ocorra e que possamos aprender uma lição com tudo isso. Espero que acordemos mais humanos, solidários e responsáveis depois desse pesadelo.

 

Alexandre Teixeira
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná e pós graduado em gestão pela Fundação Getúlio Vargas. Tem passagens por diversos veículos de comunicação, como TV Bandeirantes, TV OM (hoje CNT) e Gazeta do Povo, onde permaneceu por 11 anos.