O despertador tocou. Atrasado mais tocou.

Finalmente parece que os poderosos resolveram acordar e abrir os olhos para o que está acontecendo.

Depois das manifestações do último domingo Eles se reuniram para fazer um pacto a favor do Brasil e dos Brasileiros.

O presidente Bolsonaro conseguiu o que parecia impossível, uniu deputados e senadores e o Poder Judiciário para trabalhar a favor das reformas que são a esperança da economia brasileira.

Foto EBC

Deputados e senadores, liderados pelo presidente da Câmara dos Deputados, o carioca Rodrigo Maia, já se colocaram a favor da proposta.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, saiu na frente e apresentou uma proposta de redação.

Demorou alguns minutos para receber críticas dos seus colegas da “capa preta”, que alegaram que o Judiciário deveria ser isento, se mostrar independente e não se envolver em jogos políticos.

Lamentável que os ministros do Supremo tenham essa postura.

Independentes eles não são, todo mundo sabe disso, afinal são indicados por grupos políticos e quem precisa da

Justiça sabe que aqueles que têm dinheiro e poder, sempre estão de dando bem em cima daqueles que não conseguem acesso a bons advogados.

O despertador tocou para os poderosos.

Ao aceitarem assinar esse Pacto pelo Brasil eles ouviram os gritos das ruas. Eu, você e a grande maioria dos brasileiros estamos cansados, exaustos, de ficar trabalhando para servir essa gente.

O papel é exatamente o contrário. Eles é que são nossos empregados. Somos nós que pagamos os seus salários e mordomias. Somos nós que acordamos cedo para produzir riquezas para o nosso Brasil. Já passou da hora deles trabalharem para os seus verdadeiros patrões, que somos nós brasileiros.

Pena que alguns ministros do Supremo Tribunal Federal não achem isso.

Devem ser os mesmos que defendem ser normal e legítimo comer lagosta e beber vinho importado mandando a conta para nós pagarmos.

O Brasil acordou, pena que ainda tem gente dormindo…..

*Alexandre Teixeira

Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná e pós graduado em gestão pela Fundação Getúlio Vargas.

Tem passagens por diversos veículos de comunicação, como TV Bandeirantes, TV OM (hoje CNT) e Gazeta do Povo, onde permaneceu por 11 anos.

Foi Diretor do Ministério do Esporte e Turismo, membro do Comitê de Patrocínio da Secretária de Comunicação Social da Presidência da República e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, no segundo mandato de então presidente Fernando Henrique Cardoso.