Invadiram o celular do ministro Sérgio Moro.

Vazaram algumas conversas entre ele e os procuradores da Lava Jato.

Instalaram uma crise no Brasil a partir de um crime cibernético.

Qual o objetivo dessa invasão?

Para mim, além de tentar derrubar o ministro que quer combater a corrupção no Brasil.

Querem Anular a investigação da Lava Jato

Colocar em liberdade os corruptos que estão na cadeia

Deixar o governo do presidente Jair Bolsonaro ingovernável

Colocar o Brasil de joelhos.

Sérgio Moro – (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Não tenho dúvidas que essa invasão no celular do Sérgio Moro foi bem articulada e planejada por uma quadrilha

Quadrilha interessada em destruir não apenas a reputação do ministro e ex-juiz, como também de promover o retorno de um projeto político que parecia estar definitivamente enterrado

A Polícia Federal está investigando quem invadiu o celular, ontem descobriu que tudo começou no celular do ex-procurador geral da República, Rodrigo Janot.

Quem não se lembra de Janot?

Foi ele que foi flagrado conversando com um advogado de empresário corrupto num boteco em Brasília, e cujo assessor ajudou o tal Joesley Baptista num acordo de delação premiada ao mesmo tempo que atuava na procuradoria.

Joesley, amigo dos ex-donos do poder, os mesmos que estão presos, campeão em receber empréstimos milionários do BNDES, foi o responsável por distribuir malas de dinheiro da propina, para diversos políticos brasileiros.

Sou da opinião e tenho comigo um sentimento que a LAVA JATO veio para ficar.

Que os brasileiros de bem não aguentam mais a corrupção

Que precisamos lutar com todas as forças para que o “jeitinho” de fazer política continue mudando.

Para que o bem prevaleça sobre o mal.

Que possamos construir uma nação de futuro para os nossos filhos e netos

Prefiro que juiz e promotor se falem para colocar ladrão na cadeia, do que ladrões, corruptos e corruptores se falem para combinar como roubar a nação brasileira.

Estamos vivendo uma inversão total de valores.

Que Deus nos ajude a passar por mais essa provação.

 

*Alexandre Teixeira

Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná e pós graduado em gestão pela Fundação Getúlio Vargas.

Tem passagens por diversos veículos de comunicação, como TV Bandeirantes, TV OM (hoje CNT) e Gazeta do Povo, onde permaneceu por 11 anos.

Foi Diretor do Ministério do Esporte e Turismo, membro do Comitê de Patrocínio da Secretária de Comunicação Social da Presidência da República e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, no segundo mandato de então presidente Fernando Henrique Cardoso.