Ele foi diagnosticado com a doença e permanece em isolamento no Palácio do Alvorada, sua residência oficial.

Equipes médicas o acompanham 24 horas por dia.

Seu quadro de saúde é estável.

Infelizmente nem o presidente escapou dessa pandemia, e agora será um número entre os quase 2 milhões de infectados no país.

Bolsonaro foi vítima da sua imprudência e da sua maneira infantil de lidar com o mais grave problema da humanidade neste século.

Foto: Reprodução do Facebook

Por sorte a sua carga viral parece ser baixa e ele não terá maiores problemas.

Além de ficar em casa por 14 dias, o presidente vai conseguir comemorar a soltura do velho amigo Fabrício Queiroz, e fugir da polêmica envolvendo o cancelamento das contas de Facebook do famoso “Gabinete do Ódio”

Queiroz, o amigo da Família Bolsonaro, foi colocado em prisão domiciliar, beneficiado por uma decisão dos tribunais superiores. Até o momento Queiroz permanece fiel e calado, sem incriminar o senador Flávio Bolsonaro pelo envolvimento em rachadinhas, lavagem de dinheiro e ligação com milicianos.

Já o Facebook aplicou um duro golpe no marketing político eleitoral de Bolsonaro e seus filhos. O cancelamento das contas e a exposição do “Gabinete do Ódio” desligam da tomada a máquina responsável pela eleição do presidente, além de dar à CPI das Fake News novo combustível para implodir os filhos do presidente e toda a estrutura que os acompanha na disseminação de notícias falsas e desconstrução de adversários.

A turma desmantelada, além de mentir sobre opositores, fazer ataques à honra, ameaçar autoridades, promover vandalismo, ataques racistas e homofóbicos, mentia sobre o coronavírus, sobre as medidas de proteção e isolamento social.

Além da honra eles atacavam a vida das pessoas.

Todos esses ingredientes servem para que o Brasil vire motivo de piada, de descrédito e de reocupação ao redor do mundo. O presidente Bolsonaro não se preocupa com isso. Joga o jogo que ele acha que é o bom. Tem se mantido próximo do Congresso Nacional, que é onde ele sabe que corre risco. Enquanto deputados e senadores estiverem bem atendidos, o resto ele vai levando como pode e vida que segue.

 

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Banda B.


 

Alexandre Teixeira

Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná e pós graduado em gestão pela Fundação Getúlio Vargas. Tem passagens por diversos veículos de comunicação, como TV Bandeirantes, TV OM (hoje CNT) e Gazeta do Povo, onde permaneceu por 11 anos.