É triste ver que o Brasil não sai das manchetes internacionais.

Todo dia conseguimos criar novo fato negativo para permanecer como destaque em jornais, rádios e televisões ao redor do mundo.

Um dia é a prisão de políticos, outro dia, um sequestro que termina em morte no cartão postal do Brasil que é o Rio de Janeiro.

Essa semana o nosso coração amanheceu pegando fogo.

O coração e o pulmão do mundo que se chama Amazônia.

As nossas florestas queimam de maneira criminosa sobre complacência das nossas autoridades.

Não vi ninguém propor um plano de emergência.

Não vi nenhuma autoridade falando em combate e recuperação da mata perdida.

Queimadas na Amazônia – reprodução

O que vi, foi o nosso presidente, Jair Bolsonaro, mais uma vez usar a palavra para criar ainda mais tumulto e confusão.

O presidente acusou ambientalistas de estarem colocando fogo na floresta para denegrir a imagem do Brasil perante o restante do mundo.

Coitado dele. Apanhou feio, de todos os lados, não apareceu uma viva alma para dizer que ele estava certo ou que tinha alguma prova para corroborar a fala do líder na nação.

Pelo contrário, os fatos e as informações mostram que, ou Bolsonaro estava mentindo ou estava mal informado.

Restou ao presidente culpar a imprensa, alegando que interpretaram mal as suas palavras.

Mas o erro não impediu que o presidente voltasse a atacar os dados técnicos, alegando que eram velhos, ultrapassados ou que a metodologia adotada era propositadamente com o objetivo de denegrir o Brasil.

Agora vem o tiro da misericórdia na questão.

Bolsonaro, amigo do presidente Donald Trump, alinhado à política americana, que está tentando colocar o filho como embaixador nos Estados Unidos, fará o que com os dados divulgados hoje pela Nasa, a agência espacial americana, dizendo as queimadas na Amazônia são resultado do aumento do desmatamento irregular.

E agora presidente? Vai dizer que a Nasa é comandada por algum petista de esquerda ou por algum cubano ligado ao regime de Fidel Castro? Vai dizer que eles não sabem de nada? Que os satélites espaciais americanos fizeram os cálculos errados?

Vamos esperar a nova desculpa esfarrapada do governo para tratar do tema.

Dias atrás a internet viralizou um vídeo sobre um evento em que Bolsonaro foi convidado a tomar café com jornalistas estrangeiros. Um jornalista português fez uma longa introdução para falar como a Comunidade Européia estava vendo com preocupação as informações sobre o desmatamento crescente na maior floresta do planeta. O nosso presidente, com aquele jeito de capitão, deu, como falamos no futebol uma canelada no jornalista e disse a seguinte frase: a Amazônia é nossa, não de vocês, deixe que a gente cuida dela.

Pois bem presidente Jair Bolsonaro, com todo o respeito, nós brasileiros, donos da Amazônia, queremos saber, o que o senhor está fazendo para cuidar dela.

* Alexandre Teixeira
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná e pós graduado em gestão pela Fundação Getúlio Vargas.

Tem passagens por diversos veículos de comunicação, como TV Bandeirantes, TV OM (hoje CNT) e Gazeta do Povo, onde permaneceu por 11 anos.

Foi Diretor do Ministério do Esporte e Turismo, membro do Comitê de Patrocínio da Secretária de Comunicação Social da Presidência da República e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, no segundo mandato de então presidente Fernando Henrique Cardoso.