Os vizinhos da rua Otávio Ignácio da Silva, no bairro Guaraituba, em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, passaram a desconfiar da ‘atividade profissional’ do morador de uma casa na região e acionaram o 190. Na manhã deste sábado (20), o Batalhão de Polícia de Guarda (BPGd) descobriu uma série de práticas ilícitas dentro da residência e levou o morador para a Delegacia de Polícia. Ele já tem passagem pela polícia e poderá responder por mais crimes.

A abordagem da casa aconteceu por volta das 9 horas. O tenente Swianteki afirmou à Banda B que nenhuma droga foi encontrada, mas que a casa abrigava carro roubado, armas e dinheiro sem origem real. “Recebemos uma informação sobre tráfico de drogas, mas na casa não encontramos nada com relação a esse crime, mas sim uma arma longa de calibre 32, era uma de pressão que foi adaptada, também um revólver calibre 38, um veículo com alerta de roubo de agosto de 2017 e grande quantidade de dinheiro”, explicou.

Segundo a polícia, assim que os moradores abriram os portões, policiais checaram que havia um veículo roubado na garagem na casa. “Diante desse flagrante, entramos na casa. O dinheiro estava em um fundo falso no quatro da dona da casa e as armas também”, detalhou o tenente.

Para a polícia, o homem alegou ser dono do carro e do dinheiro. “Ele alegou que o dinheiro era proveniente de um comércio de carros que ele fazia, tudo será levado à delegacia. E como ele se identificou como dono do carro, será encaminhado em prisão em flagrante, já que esse veículo é roubado”, detalhou o tenente.

Ao todo, a polícia contabilizou R$ 33 mil em notas. “Algumas tinham pequenos queimados e estavam sujas com tinta, o que indica que poderiam ser de caixas eletrônicos explodidos”, relata o policial.

O morador já tem passagens pelo sistema prisional. “Nosso sistema já detectou que ele tem passagem pela polícia, vamos fazer uma busca para ver qual é o tipo de crime”, finalizou o tenente Swianteki. O suspeito foi encaminhado à Delegacia de Piraquara, onde poderá responder por roubo, caso seja reconhecido pelas vítimas, receptação e porte ilegal de arma.