O skinhead e estudante de Física da Universidade Federal do Paraná, Waly Ibrahim, acusado de matar no dia 17 de março, na região central de Curitiba, o punk César Roberto, o Lagarto, teria sido agredido em uma discussão entre as gangues rivais em 2011. Foi o que ele relatou em um boletim de ocorrência registrado na época. Segundo o documento, a agressão ocorreu depois que Ibrahim foi abordado ao lado da namorada por um grupo de punks, também na região central.

Em entrevista àBanda B, nesta sexta-feira (17), o delegado Rubens Recalcatti, da Delegacia de Homicídios de Curitiba (DH), confirmou que o suspeito é considerado foragido, já que o mandado de prisão dele foi expedido e não cumprido. “Ontem fomos até a casa dele e de parentes e o rapaz não estava lá. Ele é considerado fugitivo da Justiça e quem estiver dando qualquer tipo de ajuda pode ser punido também”, afirmou o delegado.

Segundo Recalcatti, as agressões sofridas por Ibrahim em 2011 não foram cometidas pelo punk assassinado em março deste ano. “Não tem nenhuma relação. Apenas mostra a bobeira entre ideologias que motiva este tipo de crime. É uma besteira sem tamanho”, destacou.

A suspeita da polícia é que Waly está escondido na casa de parentes no interior de Minas Gerais.

O crime

“Lagarto” foi assassinado por um grupo de skinheads no final da madrugada de domingo, dia 17 de março, no Centro de Curitiba. O caso aconteceu em frente a um bar na Rua Trajano Reis. Segundo a DH, os skinheads abordaram o punk e sem conversa deram um golpe de faca no pescoço dele. A arma usada no crime foi encontrada horas depois pela polícia.