O transexual Mônica, identificado como Odair Xavier de Lima, 38 anos, não resistiu ao ferimento na cabeça e morreu na madrugada deste domingo (10) no Hospital Evangélico. A vítima foi baleada na cabeça na noite de sexta-feira (8), no centro de Curitiba, dentro do apartamento onde morava com outros transexuais. A Polícia Civil investiga se Odair não foi morto por engano. Mônica, assim conhecido, era amiga de outro transexual ‘Vanessa’ que perdeu recentemente o marido, também assassinado em Almirante Tamandaré, região metropolitana de Curitiba. Vanessa acredita que o alvo do assassino seja ela e acusa a ex-mulher do marido assassinado pelas mortes em série.

Caso

Na terça-feira (5), o taxista Sérgio Loureiro de Brito, 34 anos, que tem ponto no Terminal Guadalupe, no centro de Curitiba, morreu depois de levar três tiros quando chegava na casa de Vanessa, que fica na Rua das Gaivotas, no Jardim Bonfim, em Almirante Tamandaré. No local do crime, Vanessa se apresentou aos investigadores e afirmou que viveu com Brito por algum tempo.

Três dias depois, o transexual Mônica levou um tiro na cabeça e foi socorrido ao Hospital Evangélico em estado grave. Vanessa morava no apartamento de Mônica, que aluga quartos em uma pensão. “Ela estava na cama em que eu durmo quando veio para cá. Tenho certeza que era pra mim. Ninguém teria motivos para matá-la, ela é uma boa pessoa. Só pode ser eu”, disse Vanessa em entrevista à Banda B.

Ela ainda fez acusações graves. “A ex-mulher do meu marido está me perseguindo. Ela jurou que iria matar nós dois. Se acontecer alguma coisa comigo, é ela. Eu nunca fiz programa, nunca estive na rua”, disse Vanessa.

Sobre uma possível ligação entre os dois casos o investigador Lime afirmou que é um casocomplexo e que deve ter cautela para solucionar deste crime. “A Monica estava dormindo, um rapaz encapuzado invadiu o apartamento e efetuou um disparo com revolver, foi um tiro apenas. Estamos cogitando esta possibilidade de a Monica ter sido atingida por engano. Vamos apurar qual o envolvimento das pessoas acusadas. Temos várias linhas de investigações”, disse o investigador.