Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique

Uma jovem procurou a reportagem da Banda B para relatar que não está tendo o apoio necessário do Núcleo de Proteção à Testemunha da Secretaria da Justiça do Paraná. Ela diz que denunciou os assassinos de seu irmão, caso que aconteceu em maio em Curitiba, e há três meses sofre com ameaças de morte.

Nesta terça-feira (27), enquanto procurava ajuda na Delegacia de Homicídios de Curitiba (DH), a jovem falou com a Banda B. “Uma situação complicada. Eu falei quem matou o meu irmão e agora estou sofrendo ameaças, já que os assassinos foram presos, mas logo em seguida liberados pela Justiça”, afirmou.

“Há três meses com o apoio da DH  tento entrar no Núcleo de Proteção à Testemunha, mas até agora nada. Minha vida está um inferno”, completou. O investigador Henrique, da DH, confirmou a dificuldade em conseguir integrar a jovem ao programa. “Realmente não está fácil e não é a primeira vez que acontece isto”, disse.

Secretaria de Justiça

A assessoria de imprensa da Secretaria de Justiça informou que a jovem não foi incluída no núcleo porque o delegado Cristiano Quintas, da DH, havia informado no dia 2 de julho que ela havia desistido de fazer parte do programa. Ao saber da reportagem, os responsáveis pelo núcleo encaminharam um protocolo ao delegado para que ele entre em contato com a jovem e busque saber do interesse dela na entrada no programa. Segundo a assessoria, é importante salientar que para uma pessoa entrar no programa precisa responder a uma série de requisitos que são avaliados pelos responsáveis.

Delegado nega

À Banda B, o delegado Quintas garantiu que jamais procurou o núcleo para dizer que a jovem havia desistido de participar do programa. “Isto não procede. Desde o dia 5 de julho fiz um ofício solicitando a entrada dela no programa. Em momento algum comuniquei que ela havia desistido”.