Um taxista conseguiu pedir ajuda durante um assalto na noite desta terça-feira (19) aos colegas que circulavam pela cidade. No bairro Portão, em Curitiba, cerca de 50 táxis rodearam o carro do colega, que estava como refém de dois bandidos sob a mira de um revólver. Os assaltantes saíram correndo, mas os taxistas conseguiram deter um deles. O suspeito foi levado à delegacia, mas antes teve de ser medicado por causa dos chutes e pontapés que levou dos trabalhadores. O outro foi detido pela polícia. Presos, os bandidos ameaçaram o taxista que conseguiu evitar o assalto. “Daqui um mês a gente ta solto, aí ele vai ver só”.

Avisados pela central de rádio por volta da 1h40, os taxistas se uniram para tentar salvar o colega do assalto. De acordo com o taxista que ficou refém dos bandidos, dois homens entraram no táxi em um ponto no bairro Portão e pediram uma corrida para o Terminal Fazendinha. Durante o trajeto, a dupla anunciou o assalto e mostrou um revólver e uma faca. O taxista, segundo depoimento, conseguiu avisar colegas pela central de rádio.

Na altura da rua Marins de Barros, ainda no Portão, aproximadamente 50 taxistas cercaram o carro da vítima. Os ladrões abriram a porta do carro e fugiram. A Polícia Militar (PM) foi avisada, mas antes mesmo da chegada dos policiais no local, os taxistas já tinham conseguido render um dos ladrões. O outro foi preso em seguida pela PM.

“Eles não conseguiram atirar na gente porque eles estavam tentando se esconder. Um cachorro latiu e a gente usou a lanterna para iluminar um canto. Eles estavam lá, escondidos”, contou um taxista que ajudou nas buscas pelo bandido.

Um dos acusados estava machucado e teve que ser medicado antes de ser levado ao Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac-Sul). Na manhã de hoje (20) os bandidos disseram à reportagem da Banda B que “taxistas são vagabundos e que daqui a um mês eles voltarão a assaltar o mesmo taxista”.

O nome oficial dos suspeitos ainda não foi divulgado. Eles foram autuados em flagrante por tentativa de assalto à mão armada.